A retirada dos russos do Cazaquistão não é muito certa

O atual presidente do Cazaquistão disse que a situação no país voltou ao normal e nomeou um novo primeiro-ministro, que não cai sob a influência do presidente anterior. A estabilização do país deve levar à retirada das tropas estrangeiras presentes no território cazaque, pertencentes à Organização do Tratado de Segurança Coletiva, à qual aderem Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão, Rússia e Tadjiquistão. Os protestos começaram no dia 2 de janeiro devido ao aumento do combustível e revelaram o estado de profunda crise social, política e econômica do país, sintoma de um descontentamento generalizado que se manifestou em grandes protestos, violentamente esmagados pelas forças policiais, para quem foi autorizado a atirar diretamente na multidão. As manifestações haviam sido classificadas como episódios de terrorismo por conta de potências estrangeiras não identificadas e foram funcionais à ação russa de reiterar que o país cazaque não poderia fugir da influência de Moscou, que, aliás, temia uma repetição do caso ucraniano. A repressão aos manifestantes foi abençoada por Pequim como forma de eliminar os protestos, talvez uma tentativa de justificar por analogia, sua ação em Hong Kong e contra a população muçulmana chinesa. O presidente do Cazaquistão destacou a necessidade da intervenção de tropas russas e de outros países aliados para restabelecer a ordem no país contra a perigosa ameaça terrorista, não bem identificada, que ameaçava conquistar o principal centro econômico do país, Almaty; o que teria resultado na perda de controle de todo o Cazaquistão como consequência. Segundo o presidente cazaque, as tropas estrangeiras aliadas devem deixar o país dentro de dez dias. Na realidade, será interessante verificar se esses prazos são respeitados: o medo russo de uma deriva do país para o Ocidente não parece coincidir com uma retirada repentina das tropas de Moscou, especialmente depois do esforço feito para reprimir o protesto cazaque; uma permanência de apenas dez dias não permitiria o controle efetivo da evolução de uma situação de descontentamento que representa muito mais do que insatisfação econômica. Definir o protesto como uma emanação estudada de um plano terrorista, sem indicar expressamente seus instigadores, significa defini-lo como uma espécie de tentativa de subversão do país por dentro. Que esses instintos sejam inteiramente verdadeiros tem pouca importância para a Rússia, que deve reiterar seu controle quase total sobre o que agora é definido como sua própria área de influência, bem definida e absolutamente não mais sujeita a variações negativas. Afinal, o próprio Putin endossou a teoria terrorista do presidente cazaque, como justificativa para a intervenção armada que ele mesmo planejou. Do total de 2.300 soldados empregados, o fato de a maioria ser russo parece ser bastante significativo; no entanto, as reais necessidades do país estão claramente presentes para o novo governo do Cazaquistão, que pretende promover programas que visem promover o crescimento da renda e tornar um sistema tributário mais equitativo onde há graves desigualdades; no entanto, de mãos dadas com estas intenções, está previsto um aumento do número de forças policiais e militares para melhor proteger a segurança do país. Essas intenções parecem refutar a hipótese terrorista, usada apenas para a preservação do regime e intervenção russos, mas admitem a presença de dificuldades internas, dificuldades que poderiam potencialmente possibilitar a saída da área de influência russa. especialmente na presença de uma reviravolta democrática, uma tentativa anteriormente reprimida várias vezes a nível local sem intervenção externa. A necessidade de ajuda russa mostra o quanto o país tem capacidade e vontade de buscar uma alternativa para a situação atual. Essas premissas colocam o país cazaque no centro das atenções não apenas do óbvio interesse russo, mas também do Ocidente e de todo o mundo, pois pode desestabilizar a região e o controle russo; isso implica uma nova frente de possíveis atritos com os EUA, certamente não dispostos a aceitar a advertência de Moscou em tom anti-ucraniano, onde a tensão está destinada, também por este precedente, a atingir uma situação limite.