A pandemia aumenta a fome global de alimentos

Um dos efeitos do coronavírus, além da emergência de saúde, é o aumento da pobreza e a conseqüente escassez de alimentos em vários países que, apesar da situação de pobreza, ainda não haviam sido atingidos pela escassez de alimentos. A magnitude do problema diz respeito ao número de pessoas afetadas pela escassez de alimentos: um número crescente que já chega a vários milhões de pessoas. A agência de alimentos das Nações Unidas, que assistiu 97 milhões de pessoas em 2019, planeja ajudar 138 milhões de pessoas até 2020. Como podemos ver, é uma dimensão enorme, cujo crescimento coincidiu com a mudança da pandemia dos países ricos para os países pobres do mundo. A atual ausência da vacina nos impede de administrar uma situação que beira o caos e que pode degenerar, em nível local, em agitação, mas que pode afetar o mundo globalmente através de um aumento maciço na migração. Especialmente neste segundo caso, os países ricos seriam investidos, os quais demonstraram pouca aptidão para administrar o problema também devido ao início de movimentos nacionalistas, cujo principal objetivo é precisamente a recusa de imigrantes. A contração global da riqueza está gerando um fechamento progressivo que alimenta o aumento das desigualdades, fenômeno que também afeta os países ricos, mas que tem as maiores repercussões entre os pobres. A assistência alimentar não inclui mais apenas as nações mais pobres, onde as populações já eram vítimas de fome de alimentos por razões climáticas e devido à presença de conflitos armados, mas agora também dizem respeito a nações que tinham economias um pouco acima da de subsistência ou que eles estavam passando por uma fase inicial de industrialização. O bloqueio econômico imposto pela pandemia resultou na contração da capacidade de encontrar bens primários, alimentos, causando desnutrição crescente, que deve ser combatida primeiro por razões de saúde e depois por razões sociais e políticas, incluindo políticas internacionais, como políticas internacionais, como É visto. A agência das Nações Unidas opera, com seus projetos de apoio, em 83 países, mas precisa de financiamento contínuo, cujas necessidades crescem de mãos dadas com o aumento de infecções. Neste momento, para apoiar o esforço da agência das Nações Unidas, o financiamento de US $ 4,9 bilhões é necessário apenas para os próximos seis meses; o apelo para a arrecadação dessa quantia foi lançado, sobretudo, para os países ricos, que teriam toda a conveniência política para apoiar essa iniciativa, mas quem terá que superar a resistência interna frequentemente representada pelas formações populistas e de direita. Os dados para refletir são que, até o final do ano, as pessoas que precisarão de apoio alimentar poderão chegar a 270 milhões, com um aumento de oitenta e dois por cento em comparação com o período anterior ao advento da pandemia; além disso, desde 2016, as repercussões das crises econômicas, mudanças climáticas e guerras registraram um aumento de 70% naqueles que sofrem materialmente com os efeitos da diminuição ou ausência da disponibilidade de alimentos. É compreensível que, em tal cenário, as consequências da pandemia tenham produzido uma aceleração no crescimento da fome no mundo. Atualmente, as consequências para a saúde da pandemia têm os maiores efeitos sobre o tema da escassez de alimentos nos territórios da América Latina, onde nas áreas urbanas, e não no campo, a perda de um grande número de empregos combinada com a queda nas remessas de emigrantes resultou em uma grande necessidade de assistência alimentar. Entende-se que uma economia que tende à subsistência coloca problemas futuros também para os países ricos que possuíam grande participação de mercado nesses territórios, para seus produtos comerciais. Mas, para o futuro, o continente africano está preocupado, na véspera da estação das monções, o setor agrícola já está comprometido pela invasão de gafanhotos e a situação da pandemia parece estar crescendo, apesar do problema de encontrar dados oficiais seguros. O aumento de 135% da população africana que está em situação crítica de alimentos exige um esforço dos países ocidentais que não podem mais ser adiados, mas para ser eficaz, será necessário apenas o primeiro passo de um projeto maior, baseado na cooperação internacional para garantir uma independência alimentar eficaz para os países africanos.

China promulga lei ilegal contra Hong Kong

A China tem medo das pressões democráticas de Hong Kong, um medo que afeta tanto a ex-colônia britânica quanto o resto do país. Para Pequim, é essencial ter estabilidade política para não ter repercussões nos níveis econômico e social. O medo de emulações em um território que luta com vastas áreas de dissidência acelerou a aprovação da nova lei de segurança nacional, que entra em vigor quase na ocasião do vigésimo terceiro aniversário da passagem da antiga colônia sob a soberania de Pequim. Pouco importa se os pactos com Londres forem diferentes: a tão elogiada fórmula de um país, dois sistemas, termina com a promulgação dessa lei. Nos seus cerca de setenta artigos, existem todas as fórmulas legais para esmagar qualquer ambição democrática. Os 162 membros da parte legislativa do parlamento chinês, o Congresso Nacional do Povo, aprovaram por unanimidade a lei em homenagem aos desejos do líder da China, que agora tem toda a cobertura legal para poder agir contra aqueles que exigem reformas democráticas e contra quem opõe-se ao governo responsável, claramente pró-chinês. A lei expressa a sentença de prisão perpétua e também a possibilidade de ser julgada não mais em Hong Kong, mas em território chinês. É claro como a intenção é impor uma dissuasão preventiva contra a dissidência. A China continua a considerar a questão de Hong Kong como um fator exclusivamente interno, comparando a situação da ex-colônia britânica com a mesma necessidade de esmagar a resistência das populações islâmicas chinesas ou mesmo a questão tibetana. Devemos reconhecer o que é óbvio: a seriedade da falta de garantias de direitos humanos é o triste fato comum, no qual muitos estados devem refletir antes de aceitar o financiamento chinês com muita facilidade, mas Hong Kong está longe de ser um mero assunto. Interno como Pequim afirma, o tratado de cessão, que a China assinou, até 2047, previa a aplicação do modelo de dois sistemas de um estado, contrariando isso também leva a um defeito em relação ao Reino Unido, o outro signatário do acordo. O primeiro efeito, que deve ser enquadrado em um movimento retaliatório em relação a Pequim, foi a ação dos Estados Unidos, que começaram a retirar o status especial de que Hong Kong desfruta desde 1992 e que Washington concedeu a Washington para promover o comércio, especialmente financeiro. O estado chinês sempre usou a antiga colônia, justamente em virtude desse status, para realizar suas transações comerciais e financeiras no exterior e essas proibições afetam Pequim em um setor particularmente delicado em um momento difícil. Isso aumentou a tensão entre a China e os EUA, enquanto o país chinês foi instado por várias partes a encontrar uma solução capaz de manter seus compromissos internacionais; enquanto as Nações Unidas manifestaram preocupação com a violação dos direitos humanos. O Reino Unido está há muito tempo avaliando a concessão de três milhões de passaportes britânicos a cidadãos de Hong Kong que se qualificam para eles; a possibilidade de se tornar cidadão britânico também foi mantida com a passagem da ex-colônia, graças ao reconhecimento do status de cidadão das dependências britânicas. O novo caminho legal, desenvolvido pelo premier inglês, prevê que o visto possa ser prorrogado de seis para doze meses. Potencialmente, isso significa que as autoridades chinesas podem prender os cidadãos britânicos e sujeitá-los a processos e multas mesmo fora de Hong Kong. Isso pode desencadear disputas internacionais capazes de desenvolver conflitos diplomáticos muito sérios e com consequências difíceis de prever. Outras reações muito duras vieram de Taiwan, que é parte porque a China considera Formosa como parte de seu território, Japão, Coréia do Sul e União Européia. Apesar disso, a China está disposta a sacrificar vantagens financeiras e correr o risco de relações difíceis com Londres, para erradicar a dissidência e garantir a estabilidade política autoritária. Este é outro exemplo de como a China está se movendo, um exemplo que nenhum estado ocidental, mas também africano, deve ter em mente ao celebrar contratos com Pequim. O destino é lidar cada vez mais de perto com um país onde o respeito pelos direitos e a democracia não é contemplado: é um interlocutor que não é confiável.

Israel adia anexação

A questão da anexação de alguns territórios palestinos entra em uma fase muito delicada e corre o risco de se tornar uma armadilha para seu principal apoiador, o primeiro-ministro israelense Netanyahu. As implicações são, naturalmente, de natureza interna, mas a importância internacional já muito importante está destinada a crescer, enquanto também há possíveis repercussões sociais nos habitantes palestinos das áreas anexas. Internacionalmente, o maior risco é que as relações, embora não oficiais, minuciosamente construídas com os países sunitas, passem por uma virada negativa, um desenvolvimento altamente perigoso para a manutenção da aliança não oficial construída contra o Irã. Teerã continua sendo o principal perigo para Israel e o apoio das monarquias do Golfo é necessário não apenas do ponto de vista político, mas também militar. No entanto, a oposição internacional não se limita aos países sunitas, mesmo os embaixadores das Nações Unidas da China e da Rússia manifestaram sua oposição à possível anexação, reafirmando sua proximidade com os palestinos. Obviamente, é também um cálculo político que inclui aversão aos Estados Unidos, mas não apenas. Para Moscou, perto da Síria e, portanto, do Irã, é uma questão de complicar o cenário internacional para Tel Aviv. A posição da União Europeia, com algumas exceções, é então bem conhecida e, para Israel, a política de anexação só poderia significar censura política e sanções comerciais. Por outro lado, o país israelense não parece compacto neste momento: se os partidos de direita e os movimentos próximos aos colonos apóiam o plano Netanyahu, há uma vasta frente de opostos presentes na sociedade civil de Israel devido à avaliação das razões. de oportunidade e conveniência, que declarou oposição política. A necessidade de apressar as anexações também seria ditada pela incerta permanência de Trump na Casa Branca; de fato, em caso de derrota do presidente cessante, uma consideração totalmente oposta ao problema pelos democratas é considerada altamente provável. Do lado palestino, além das ameaças óbvias de Gaza, que teriam um maior comprometimento do exército na repressão, com um impacto negativo adicional na imagem do país, o risco real é a implosão da Autoridade Palestina, causada pela incapacidade de defender territórios da anexação; uma perda de autoridade, que também pode resultar na perda de um interlocutor, que, apesar da distância, ainda pode garantir um trabalho de mediação fundamental no momento em que há um forte ressentimento de grande parte da sociedade palestina, mas também onde está registrado o possível gosto dos palestinos residentes nas colônias anexas em assumir a cidadania israelense. Na realidade, essa eventualidade não é de todo garantida, especialmente se a linha de criação de um país fortemente identificado com os valores judaicos deve prevalecer. Por todas essas razões, tornou-se difícil respeitar a data fixada, ainda que se pensem em soluções de menor impacto, como uma anexação simbólica capaz de reafirmar a soberania, já efetivamente garantida pela presença do exército, nos territórios colonizados. De acordo com os Estados Unidos, Netanyahu decidiu suspender a anexação das colônias para ter um momento mais favorável. A desaceleração na questão parece ser compartilhada também pelo embaixador americano e, portanto, pelo governo Trump, que promoveu uma aproximação entre o primeiro-ministro israelense e o ministro da Defesa, líder do partido azul branco, que em dois anos ocupará o lugar de chefe do partido. governo. As recentes declarações do chefe do ministério da defesa expressaram sua disposição de adiar a data da anexação com base no estado de pandemia que está passando pelo país israelense; essas alegações irritaram Netanyahu, que telefonou para o ministro da Defesa sem dizer nada a respeito. É compreensível como o líder israelense deseja fazer a anexação, também como motivo para se distrair de suas desventuras judiciais, mas o perigo de uma nova instabilidade política alertou os EUA, o que favoreceu a extensão do prazo e a reunião entre os dois líderes da partidos do governo. No momento, parece que os piores inimigos da anexação não são os palestinos, mas os próprios israelenses.

Desinformação não oficial e oficial

Se a Europa está emergindo lentamente da emergência da pandemia, o problema das campanhas de desinformação, espalhadas pela rede, provenientes de outros estados, continua presente e representa um fator desestabilizador dentro de uma população que não está em situação de pobreza. capaz de filtrar a grande massa de informações disponíveis. Essencialmente, o fenômeno pode ser dividido em duas partes principais: a primeira diz respeito à propaganda não institucional, expressa através da ação de empresas formalmente não expressões de governos, mas cujo trabalho torna funcional as instituições nacionais de origem, embora estas não o façam. reconhecê-los oficialmente. A segunda vertente, pelo contrário, refere-se precisamente a personagens que ocupam posições institucionais e realizam seu trabalho de desinformação por meio de canais oficiais. O primeiro grupo inclui organizações, acima de tudo, chinesas e russas, que realizam campanhas reais de desinformação com o objetivo de influenciar e direcionar a opinião pública européia para disposições favoráveis ​​em Moscou e Pequim. A falta de canais oficiais provoca os governos russo e chinês de acusações formais, porque essas fontes são oficialmente desconsideradas pelos executivos acusados ​​de serem os instigadores das notícias falsas. Além da intenção de melhorar sua imagem internacionalmente, as principais intenções são comprometer o debate democrático, favorecendo as posições mais extremas e, portanto, aumentar a divisão presente nas sociedades européias, onde a maior conseqüência tem sido o nascimento da soberania e da democracia. anti-europeísmo, que resultou nas consequências mais significativas produzidas pelas campanhas de informação falsa. Afinal, mesmo antes da pandemia, a ação incessante dos hackers havia se desenvolvido acima de tudo na ocasião das nomeações eleitorais para direcionar o voto para soluções consideradas mais favoráveis ​​para estados não democráticos. A pandemia ofereceu uma maneira ainda mais fácil de tentar influenciar a opinião pública, principalmente no que diz respeito às supostas responsabilidades reais dos tempos, maneiras e causas da propagação da infecção. A atitude chinesa, nesse sentido, levantou várias preocupações sobre a origem da infecção e sua contenção efetiva, especialmente nos estágios iniciais, o que causou uma atitude defensiva do governo de Pequim, muitas vezes implementada com táticas duvidosas. Essas ações devem ser enquadradas em políticas mais amplas que possam ser consideradas atos reais de hostilidade em relação aos países onde existem ordens democráticas e, portanto, potencialmente prejudiciais aos regimes que têm problemas com dissidência interna. As tentativas de ocultar a desestabilização devem fazer com que os membros da União Européia reflitam, tanto no nível nacional como no todo, sobre a lealdade real dos Estados que tentam boicotá-los. Isso deve aplicar-se política e comercialmente, porque a celebração de acordos cada vez mais próximos com países não leais pode facilitar o trabalho de apresentar organizações que tentam desestabilizar. Para Bruxelas, foram criadas as condições para implementar formas de defesa cibernética a nível comunitário, que exigem orçamentos mais substanciais. A prevenção deve estar na fonte, ou seja, em contraste com essas organizações, pois a educação adequada dos usuários da Internet é quase impossível para as faixas etárias com mais de quarenta anos de idade e só pode ser realizada com treinamento cuidadoso voltado para as faixas etárias mais velhas Jovens. No entanto, a alta idade média das populações européias e o hábito escasso de discernir as notícias, que vieram com um uso cada vez mais pressionado de novas tecnologias, mesmo no nível de trabalho, constituem uma facilitação da penetração de notícias falsas e enganosas. Essa condição também facilita as notícias falsas provenientes de perfis institucionais, dos quais os exemplos mais marcantes são o presidente dos EUA, Trump e o brasileiro, Bolsonaro. Muitas vezes, o usuário da internet não distingue a opinião pessoal de notícias falsas e, no final, é apenas uma opinião, torna-se informação enganosa. O tema aqui é usar canais institucionais para provocar repercussões também em estados estrangeiros; o contraste com essas operações, de certa forma, é ainda mais difícil, porque o único contraste possível é garantir uma resposta oficial contrária e pontual, capaz de envolver o mesmo público. O jogo relativo à rede e a busca de contramedidas para desinformação são jogados nesses planos.

As últimas evoluções do conflito na Líbia

A guerra da Líbia não mostra sinais de parada. Apesar da proposta egípcia, por um governo que faz parte da causa do conflito, uma trégua, os combates continuam e a situação atual parece favorável às forças de Favez al-Serraj e ao governo de Trípoli. O Exército Nacional da Líbia e seu líder Khalifa Haftar estão perdendo terreno. Na realidade, a tentativa egípcia deve ser enquadrada na lógica do conflito líbio, que se tornou uma espécie de guerra por procuração, por trás da qual ocultam interesses diferentes e até superiores aos atores diretamente envolvidos. A Turquia se alinhou ao lado de Trípoli, sempre em busca frenética de criar sua própria área de influência geopolítica e do Catar, que se move para combater os interesses de seus oponentes no Golfo Pérsico, enquanto apoia o Exército Nacional da Líbia. Egito, Emirados Árabes Unidos e Arábia Saudita. O principal interesse do Cairo é estender sua hegemonia na parte líbia que faz fronteira com o país egípcio; mas o avanço de Trípoli está frustrando essa aspiração e a tentativa frustrada de buscar uma trégua com o objetivo de ganhar tempo demonstra como as aspirações egípcias devem ser reduzidas. A Líbia promete ser uma derrota também para os estados ocidentais, especialmente para a Itália, que veriam sua influência diminuir em uma área estratégica do Mediterrâneo, tanto por questões de energia quanto porque a Líbia é a porta por onde passam os principais fluxos imigração ilegal para a Europa, um poder potencialmente muito alto em termos de chantagem e capaz de influenciar os delicados equilíbrios existentes entre os países da União Europeia. A observação especial é a Turquia, que depois de fracassar no projeto de Erdogan de recriar a área de influência otomana, tenta assumir um papel primordial no Mediterrâneo, capaz de dar-lhe relevância como potência regional média. Vista de uma perspectiva européia, a iniciativa turca parece perigosa porque, antes de tudo, se estiver associada à atual lógica americana de desapego do Mediterrâneo, Ancara teria a oportunidade de exercer seu papel sem o contrapeso de Washington. Deve-se lembrar que a ação política e militar da Turquia é caracterizada pelo uso inescrupuloso de fundamentalistas e radicais islâmicos, como visto na Síria; também na Líbia, a presença dessas formações paramilitares constitui o principal apoio ao governo de Trípoli, o que indica um caminho de valor duvidoso para a segurança dos investimentos europeus e no que diz respeito à possível gestão dos fluxos migratórios. Por enquanto, além do Exército Nacional da Líbia, as milícias militares que sobreviveram à queda de Kadafi, que foram a principal causa de instabilidade da Líbia, foram derrotadas. Mas, para melhor enquadrar a situação geral, o papel dos EUA e da Rússia também deve ser considerado; o primeiro, já com a presidência de Obama e depois com Trump, que era sua continuação em uma política externa sem mudanças, preferia se concentrar no combate à China nas regiões do Pacífico, e apenas um novo presidente poderia reverter essa tendência retribuindo ao Mediterrâneo sua importância no tabuleiro de xadrez do mundo. Por outro lado, Moscou mostrou que deseja preencher o vazio deixado pelos americanos e continuar exercendo seu papel na região do Mediterrâneo, já iniciada com a política implementada na Síria. A afinidade entre Moscou e Ancara foi revelada precisamente em solo sírio, favorecida pelas semelhanças de Putin e Erdogan, que está pronto para se replicar em solo líbio com uma divisão das áreas de influência, com o principal objetivo de expulsar as nações europeias. Assim, se os EUA deixaram voluntariamente a costa sul do Mediterrâneo, não foi o caso dos europeus que, com uma política não unitária caracterizada pela incapacidade de uma gestão prática e política dos fatos da Líbia, eles serão os verdadeiros perdedores, mesmo se não os únicos, como visto no Egito, nos Emirados Árabes Unidos e na Arábia Saudita, que por se mostrarem menos capazes que a Turquia, revelaram sua fraqueza militar e estratégica, replicando a derrota síria. No entanto, os países árabes tinham a intenção, como Ancara, de aumentar sua influência e não serão expulsos de uma área da qual se estabeleceram, embora com fortunas mistas, desde o final da Segunda Guerra Mundial, como acontecerá para os europeus. O grande erro da União Europeia foi o de não se envolver na primeira pessoa, mas apenas de iniciativas inesperadas e ineficazes e, acima de tudo, não ser capaz de ter um objetivo compartilhado e não entender que a guarnição na costa sul do Mediterrâneo deveria ser uma guarnição deve ser mantida a todo custo para garantir a proteção continental da energia e preservar a Europa de chantagens migratórias.

Crise em Hong Kong, China, EUA e Europa

A evolução dos fatos sobre a China relacionou-se não apenas à questão da dissidência interna e à relativa repressão, mas também à de Hong Kong, que obteve maior relevância da imprensa mundial e do complicado relacionamento com Taiwan e as implicações internacionais relacionadas, eles colocam questões perigosas para a estabilidade global, começando pelas relações entre Pequim e Washington, que se deterioraram acentuadamente. Se na frente doméstica chinesa, o desrespeito aos direitos civis é mais tolerado, mesmo no que diz respeito à repressão dos muçulmanos chineses, o problema em Hong Kong parece ser mais sentido no Ocidente. A atitude de aversão chinesa ao teorema de um sistema bipolítico (político) deve ser enquadrada precisamente na necessidade de reduzir a dissidência doméstica, removendo o exemplo do pluralismo em solo chinês. Esse objetivo agora é considerado prioritário também em relação aos resultados econômicos e às relações internacionais. Os EUA avaliam sanções contra o sistema financeiro de Hong Kong, que no curto prazo podem ter sérios efeitos sobre a possibilidade de operar na frente financeira, no mercado americano, mas o governo chinês há muito tempo iniciou um enfraquecimento de Hong Kong no país. quadro geral da importância financeira em favor de outras praças que estão mais sob o controle do governo central. A obstinação de Pequim em sua atitude em relação a Hong Kong revela que agora sacrificou sua capacidade operacional no mundo financeiro para exercer o máximo de controle possível. Isso também significa que Pequim está disposta a avaliar um potencial impacto negativo em sua economia pelo Ocidente. Para o risco, é calculado: apenas os EUA de Trump, que estão na campanha eleitoral, podem tentar exercer pressão sobre a China, enquanto da Europa, por enquanto nada veio senão um silêncio culpado e irresponsável. No entanto, a questão de Hong Kong, mesmo com toda a seriedade, tem menos impacto do que o que Taiwan pode se tornar. A China considera Formosa uma parte integrante do seu território e nunca escondeu o fato de poder também considerar alcançar a opção militar de afirmar seu poder de maneira concreta. Os EUA sempre mantiveram um vínculo com Taiwan de maneira não oficial, mas, nos últimos tempos, considerando o país como estratégico para o tráfego naval e essencial do ponto de vista geopolítico, aumentou os contatos, provocando repetidamente a irritação da China. No que diz respeito a Hong Kong, Washington escolheu uma abordagem baseada em sanções econômicas, mas um comportamento semelhante de Pequim em Taiwan não poderia permitir uma abordagem semelhante; os Estados Unidos não poderiam ser passivos em um confronto chinês. Por enquanto, a situação parou, mas aqueles que se confrontam são dois líderes semelhantes, que fizeram do soberania e do nacionalismo seus pontos fortes e ambos parecem não querer ceder. Haveria um terceiro ator que poderia afetar a economia do diálogo se ele tivesse a força de sua própria política externa e a crença de que ele queria defender os direitos a qualquer custo. A ação americana, de fato, não se move para garantir direitos universais não respeitados pela ação e ordem chinesas, mas por uma proteção exclusiva dos interesses dos EUA: uma atitude de desqualificação que torna menos relevante o papel de Washington na arena mundial. . Esse vazio, se não no nível militar, poderia ser preenchido em nível político pela Europa, que poderia investir em credibilidade, um dote para gastar posteriormente em outros níveis também. No entanto, seria necessária uma capacidade de coragem capaz de ir contra o poder econômico chinês, mas partindo da força de ter a consciência de ser o maior mercado mundial. Uma política de sanções contra os produtos chineses, praticada para combater o não respeito dos direitos civis e as repressões realizadas em Hong Kong, poderia atuar como um freio à política atual de Pequim. Isso também poderia servir para obter, graças às políticas tributárias européias, uma autonomia de uma ampla gama de produtos chineses cuja produção poderia ser trazida de volta ao solo continental, favorecendo um novo desenvolvimento industrial. É claro que, na fase inicial, seria necessário renunciar às vantagens econômicas imediatas, que poderiam ser recuperadas pelas conseqüências dos efeitos de assumir um novo papel político como líder mundial. Seria um desenvolvimento muito interessante.

Negociação de paz para a Síria pode recomeçar

A pandemia atrasou os combates na Síria e isso ajudou os dois lados, o regime de Damasco e os rebeldes, a iniciar uma retomada das negociações de paz para encerrar um conflito que já dura mais de nove anos. As Nações Unidas, por meio do atual mediador, anunciaram uma reunião em Genebra assim que as condições de saúde permitirem. Isso significa que ambos os lados pretendem retomar conjuntamente o caminho do diálogo. Isso também poderia favorecer a retomada da jornada do Comitê Constitucional da Síria, órgão formado por representantes do governo de Assad, membros que apóiam os rebeldes e membros da sociedade civil, que devem criar as condições para uma possível consulta eleitoral. Atualmente, um acordo entre a Rússia e a Turquia mantém a suspensão das hostilidades, que tem sido mais ou menos mantida. As posições de Moscou e Ancara, com os primeiros partidários do governo de Assad e o segundo dos rebeldes islâmicos, lado a lado com o objetivo de conter as forças curdas, serão fundamentais para entender como um possível caminho de paz pode ser desenvolvido. Os atores no campo também incluem o Irã e o Hezbollah, as forças democráticas sírias, apoiados cada vez menos intensamente pelos Estados Unidos e pela população curda, que com suas milícias teve um papel fundamental contra o Estado Islâmico, mas que depois de abandonar o apoio dos EUA, eles se aproximaram do regime sírio, com base em interesses comuns contra a Turquia e suas milícias aliadas. O sonho de um estado curdo livre e independente, frustrado pela mudança de atitude de Washington para manter na Aliança Atlântica um membro não tão fiel quanto o país turco, terminou. A retomada das negociações de paz também é uma esperança para uma população que sofre de uma situação de saúde, higiene e econômica muito precária, mesmo antes da pandemia, cujas vítimas relataram, no entanto, ter apenas sessenta e quatro. Outra variável que pesará no desenvolvimento das negociações serão as relações que Moscou e Washington desejarão estabelecer sobre o assunto. Deve-se lembrar que as Nações Unidas estão relatando sob sua autoridade uma negociação que foi além do seu escopo, substituída pelo processo de negociação Astana no Cazaquistão, procurado por Moscou e Teerã, em apoio ao regime e Ancara representando apenas uma parte dos rebeldes . A intenção da negociação de Astana limitava-se a manter os limites estabelecidos pela posição das forças em campo, mas sem nenhum conteúdo político capaz de permitir uma estrutura futura estável do país sírio. Ou seja, não havia legitimidade garantida apenas pelo patrocínio das Nações Unidas. Certamente isso é funcional para o interesse concreto e prático de Moscou em orientar os investimentos necessários para a reconstrução do país por meio de fundos segurados pela própria Rússia e de financiamento da cooperação internacional. Obviamente, o principal objetivo político do Kremlin é permitir que Assad mantenha o poder, no papel, subordinado de Moscou em todos os sentidos, e os meios econômicos para perseguir esse objetivo devem substituir o garantido pelo uso de armas. melhor se com a aprovação das Nações Unidas. De qualquer forma, uma paz em que é legítimo ter dúvidas é melhor do que a continuação de uma guerra já longa demais; lamentamos o papel das Nações Unidas que vem selar um estado de coisas indesejadas e não compartilhadas pelo Palácio de Vidro, a atitude americana temerosa e oportunista e também não grato àqueles que lutaram no local em seu lugar. No entanto, a conclusão da guerra síria, enquanto existir, não deixará nenhuma melhoria para o povo do país, nem para o equilíbrio internacional, nem para a expansão dos direitos civis e democráticos.

A dívida europeia comum como perspectiva para o desenvolvimento político da União

Sob o impulso de Paris e Berlim, confirmados como os dois principais membros da União Europeia, o futuro de Bruxelas é delineado por meio de uma política de investimentos com empréstimos a baixas taxas de juros. O orçamento deve rondar os quinhentos bilhões de euros a favor dos países mais afetados pela pandemia e, portanto, com fortes repercussões econômicas. Esse investimento, que será limitado no tempo, parece ir na direção oposta àquela que até agora distingue a União Europeia, marcada por uma adoção exagerada de políticas de rigor financeiro. Do ponto de vista político, se isso for verdade, tratará da declaração de guerra contra as razões da soberania e dos movimentos anti-europeus. A intenção é criar uma nova coesão entre estados, que deve ter conseqüências práticas na coesão social dentro dos estados e entre os povos de diferentes nações. O que você deseja ter são efeitos a longo prazo, a partir da intervenção já no prazo imediato, com efeitos que criam novas dinâmicas virtuosas. Segundo os dois líderes, francês e alemão, a resposta européia, embora com alguns contratempos, possibilitou a intervenção por meio de assistência médica concreta, mas também destacou os contrastes já presentes; o exemplo daqueles estados que fecharam as fronteiras nacionais indiscriminadamente se aplica a todos. Isso contribui para que a vontade declarada chegue também à modificação dos tratados. Se isso puder favorecer a afirmação dos valores europeus fundadores, será triste, mas teremos que agradecer ao evento da pandemia. Uma razão que parece estar na base dessa imensa alocação é encontrar independência na produção de alguns materiais sanitários, que se mostraram essenciais, mas que a fabricação foi alocada no exterior por meras razões de custos mais baixos. Isso levou a uma falta de soberania, verdadeira e comprovada, da Europa como um todo, devido à necessidade de depender de outros países e, portanto, estar sujeita à falta de gerenciamento direto desses materiais. Trazer a produção de vários bens de volta à Europa é o primeiro passo para garantir uma autonomia acima de tudo política. O resultado dessa alocação poderia desapontar os países que pediram valores mais altos, porém houve várias tendências nacionais que não eram a favor desse financiamento: o resultado final diz que foi claramente contra esses desejos, o que comprometeria seriamente as perspectivas da União Europeia. . Uma das conseqüências que devem ser alcançadas é incentivar a criação de indústrias européias líderes, capazes de competir globalmente com grupos chineses ou americanos semelhantes, mas, para isso, não basta injetar grandes quantidades de liquidez no sistema, mas também construir uma abordagem jurídica diferente com a mudança no direito da concorrência no continente. Para fazer isso, Merkel e Macron julgam o papel de seus países como força motriz em comparação com os outros vinte e cinco, isso pode não atrair outros parceiros, especialmente os importantes, mas é preciso especificar que, atualmente, alguns países europeus importantes estão falhando expressar uma visão unida sobre o papel europeu, porque eles são atravessados ​​por contrastes profundos; esses países, que têm, no entanto, um grande potencial para ingressar na Europa, podem tirar proveito do efeito impulsionador da alocação financeira e passam a desempenhar um papel comparável ao de Berlim e Paris hoje. Os conflitos a serem superados e superados são outros, aqueles que vêm de países que comprimem a liberdade de imprensa e os direitos civis, que favorecem o anti-semitismo e todas as medidas que não favorecem a vida democrática e, consequentemente, negam valores Europeus e estão praticamente fora da união, pelo menos em um sentido moral. O investimento financeiro serve para recuperar a confiança da população européia, através de uma redistribuição de riqueza obtida pela disponibilidade de trabalho e fácil acesso à saúde, educação e segurança; assim, são derrotadas as pressões nacionalistas, que coincidem com a afirmação de posições iliberais incompatíveis com os ideais europeus. Também nesse sentido, espera-se que os tratados sejam revisados ​​em um sentido sancionador em relação aos estados que não cumpram as regulamentações européias. Portanto, a intenção é correta, o ponto de partida parece correto: se os resultados que se seguirem na prática responderem a essas abordagens, podemos dizer que finalmente alcançamos um resultado concreto para a Europa, depois de tantos anos de decepções.

Pandemia, pobreza e contraste com a desigualdade

Os efeitos da pandemia não serão apenas os atuais, que ainda estão em andamento e são principalmente de natureza sanitária. Com o mero abaixamento do contágio, que certamente não é erradicado, é necessário analisar os efeitos já em andamento, no nível econômico, não apenas do tipo local, mas com uma visão macroeconômica mais ampla. Um dos efeitos mais pesados ​​esperados diz respeito a trinta milhões de pessoas, que verão sua condição piorar até que entrem no estado de extrema pobreza; esta estimativa, que preocupa sobretudo o continente africano, envolve uma multiplicidade de consequências, que vão muito além do aspecto moral fundamental. Uma condição tão difundida de pobreza enquadrada no atual contexto globalizado não deixará de afetar os fluxos migratórios, a maior facilidade de recrutamento por grupos terroristas e os problemas relacionados à busca e distribuição de recursos alimentares. É claro que os países ocidentais, especialmente os que fazem fronteira com o Mediterrâneo, logo sofrerão uma pressão mais intensa, que refletirá nas relações entre os estados e na dinâmica dentro deles; além disso, esses problemas contribuirão para a queda do produto interno bruto que os países mais ricos já sofrem. A previsão média é de uma queda de cerca de cinco por cento, mas para alguns países essa diminuição será ainda maior. Entende-se que as possíveis consequências combinadas por fatores externos e externos devem ser abordadas com políticas capazes de prosseguir em paralelo e sem serem deixadas à competência de estados individuais, que devem ser mitigadas por organizações supranacionais capazes de maior capacidade de manobra. Isso não significa desautorizar a soberania de estados individuais, que devem preservar suas peculiaridades, mas concentrar o maior esforço oneroso, em termos de organização prática, em organizações maiores, porém controladas por nações individuais. Só o exame de saúde, certamente essencial, não é suficiente para afastar as crises econômicas e, portanto, sociais; a proteção do emprego e da renda é essencial e, portanto, o poder de gasto, principalmente a partir dos indivíduos mais fracos do conjunto social. Essa consideração investe globalmente na necessidade de conter, em uma primeira fase, o fenômeno da desigualdade e depois estender as medidas para tentar mitigá-lo o máximo possível. Trata-se de um esforço enorme, que, infelizmente, não é compartilhado universalmente, nem pelas forças políticas nem pelos governos, mas que poderia ter efeitos práticos tanto do ponto de vista da política interna quanto da internacional. A longo prazo, ou seja, até 2030, as estimativas prevêem a possibilidade de um aumento da pobreza extrema para 130 milhões de pessoas, causando um estado de tensão cada vez mais alto e permanente. Segundo economistas das Nações Unidas, medidas de grande estímulo fiscal e monetário usadas indiscriminadamente arriscariam ser deletérias, sem uso seletivo, capazes de conter os fenômenos causados ​​pela inflação. Uma injeção de grande liquidez não orientada para as orientações de produção correria o risco de ser funcional para a especulação na bolsa de valores sem criar valor generalizado. Os investimentos alocados após a pandemia devem ser orientados para atividades produtivas capazes de gerar trabalho e, portanto, redistribuir a renda da maneira mais ampla possível, a fim de mitigar os efeitos econômicos e sociais da crise na saúde. Agora, isso é verdade nas sociedades mais avançadas e complexas, mas é ainda mais decisivo nos países em desenvolvimento, que não devem ver comprimida a tendência de crescimento econômico que permite aumentar a renda per capita média, ainda muito próxima da renda da sobrevivência. . O que precisa ser entendido é que, além de certos limites, não é mais possível comprimir a renda dos países pobres, porque isso causa repercussões políticas capazes de comprometer equilíbrios já instáveis, refletidos na esfera econômica e social global. A pandemia, que trouxe tanto luto e pobreza para o cenário mundial, também deve ser uma oportunidade para repensar a alocação de recursos globais, a fim de incentivar um plano geral de desenvolvimento socialmente sustentável capaz de garantir um nível de redistribuição. capazes de afetar as desigualdades, investir na busca de um nível mínimo de riqueza a ser garantido para todos.

Fator desestabilizador de ameaças cibernéticas

Se entre as grandes potências, pelo menos por enquanto, a hipótese de uma guerra convencional parece evitada, o confronto entre os oponentes é deslocado para metodologias alternativas, certamente menos sangrentas, mas que, se enquadradas no contexto atual, podem ter sérias conseqüências. Além das lutas rudes e comerciais, que também representam momentos de alta tensão, a questão dos ataques cibernéticos a países estrangeiros ou organizações supranacionais é a verdadeira emergência atual do confronto entre estados. Os ataques a instalações de saúde e centros de pesquisa se multiplicaram com a recente pandemia, especialmente para roubar informações sobre o progresso da pesquisa de vacinas e medicamentos contra a Covid 19. A extensão desses ataques nos Estados Unidos poderia comprometer o funcionamento da Instalações de saúde americanas, para as quais entendemos a grande preocupação com a qual esses casos são seguidos. Os EUA acusaram principalmente hackers chineses e iranianos desses ataques repetidos, mas os perigos também vêm do pessoal russo, como já aconteceu em casos de competição eleitoral. A recente explosão de Angela Merkel contra a interferência cibernética de Moscou mostrou como o comportamento cibernético incorreto pode prejudicar atitudes positivas em países reais, protagonistas de práticas incorretas. O problema também foi detectado pelo Secretário da Aliança Atlântica após os repetidos casos de sabotagem de computadores, que a instituição de Bruxelas sofreu e contra os quais teve que ser protegida. O que surge é que, se não houver uma aliança formal e oficial contra os Estados Unidos, e em parte também contra seus aliados, a ação de Moscou, Pequim e Teerã parece estar se movendo inequivocamente no contexto da guerra cibernética. A intenção ficou clara, especialmente por ocasião das eleições: a ação dos hackers promoveu ações para favorecer partidos soberanos e anti-sistema de maneira funcional para interesses particulares, que tendiam a dividir alianças supranacionais e facilitar o espaço de manobra para movimentos que têm em seu programa político a intenção de conter a influência de organizações supranacionais. O caso de repetidas tentativas de boicote aos partidos em favor de uma maior integração européia e, portanto, indiretamente à própria União Européia, sinaliza o plano de obter uma divisão de estados para ter uma relação bilateral e, portanto, com menos poder contratual, em comparação aos acordos estipulado em Bruxelas, que é funcional em Moscou, mas não apenas. O controle das redes de computadores assume, portanto, um valor fundamental em uma estrutura geral em que o uso direto de armas é agora visto como a última opção viável. O desenvolvimento tecnológico da rede 5G se torna central para essa reflexão, na qual a China desenvolveu grandes investimentos para vender e espalhar sua infraestrutura para o resto do mundo. Mas, além da simples construção de equipamentos, é preciso refletir profundamente sobre a vontade chinesa de transformar a rede da Internet em parâmetros novos, mais rigorosos e controláveis, em contraste aberto com os padrões de abertura, liberdade e pluralismo que caracterizaram o uso da rede. desde a sua criação. A abordagem chinesa é condicionada por uma visão que coincide com a visão política que Pequim tem de liberdades e direitos individuais: a esse respeito, a nova rede que a China até agora propôs não fornece as garantias do pluralismo atual, compactado pelo uso excessivo. de controle e censura. Se essas condições se tornassem o padrão atual, os problemas de invasão de hackers seriam superados por uma espécie de legalidade tecnológica dada pela nova configuração dos parâmetros de navegação. Certamente isso também pode ser tentador para outros governos, mesmo na região oeste, mas trocar maior controle interno com a possibilidade de ser submetido, do ponto de vista da TI, a uma única potência, deve refletir profundamente a compra de tecnologias construído para estar pronto para ser configurado de maneiras específicas. Visto com isso em mente e com muitos precedentes, é aceitável a pressão americana para desenvolver seus próprios equipamentos para a rede 5G e a tentativa de impor a recusa de equipamentos chineses a seus aliados ocidentais. Mas a Europa deve ser capaz de desempenhar seu próprio papel independente, também do ponto de vista puramente construtivo, da tecnologia 5G e, acima de tudo, ser capaz de impor a vontade de manter os padrões atuais de liberdade para usar a Internet mundial.