Reconhecer Taiwan

No momento, apenas 22 nações reconhecem oficialmente Taiwan, devido à oposição da China, que considera a ilha de Formosa como parte de sua soberania. A óbvia importância econômica de Pequim no cenário global impede, por razões de conveniência, as aspirações de Taiwan de ser oficialmente reconhecido internacionalmente e os contatos com países estrangeiros ocorrem apenas informalmente, por meio de escritórios comerciais e de representação do tipo empresarial; na realidade, esses escritórios costumam ser verdadeiras representações diplomáticas ocultas, precisamente para não prejudicar o gigante chinês. A questão não é secundária, depois das ameaças chinesas trazidas com os testes de força através do sobrevoo de aviões militares de Pequim no espaço de Taiwan e das declarações do presidente chinês, que, mais uma vez, falou expressamente da necessidade de aderir ao território. Taiwan com a pátria chinesa de acordo com o método de um estado de dois sistemas, já usado com Hong Kong, mas absolutamente não mantido. A liderança chinesa considera que a anexação de Taiwan é de fundamental importância para o seu projeto geopolítico, assim como do ponto de vista interno, é funcional ao projeto dominar as vias de comunicação marítima, consideradas cada vez mais essenciais para a circulação de mercadorias; no entanto, a perspectiva interna é considerada muito importante pelo governo de Pequim, porque é considerada uma espécie de distração em massa dos problemas da repressão aos muçulmanos uigures, da situação em Hong Kong e do tratamento geral da dissidência. O governo chinês pretende usar o nacionalismo para desviar a atenção dos problemas internos, que incluem também a difícil situação de endividamento das autoridades locais, sobre as quais toda a dívida nacional é paga, e os estados de crise de muitas empresas chinesas, entre as quais a bolha imobiliária é apenas o aspecto mais óbvio. É claro que as ambições de Pequim na região não são do agrado dos países ocidentais envolvidos na área. A crescente atenção dos Estados Unidos resultou em uma maior presença na área e na construção de alianças militares com uma clara função anti-chinesa. Ainda recentemente, a notícia de que instrutores militares americanos estão presentes em Taiwan para treinar o exército local na guerra assimétrica, para enfrentar uma possível invasão chinesa, aumentou a tensão entre as duas superpotências. A questão central é se existe uma possibilidade real de conflito, uma vez que uma reação ocidental deve ser tomada como certa no caso de uma invasão chinesa de Taiwan. De acordo com alguns analistas, uma deriva militar seria altamente provável no caso de uma iniciativa de guerra da China; esta eventualidade teria enormes repercussões em toda a escala global das relações entre os estados e também do ponto de vista econômico, causando uma contração mundial do produto interno bruto total e dos estados individuais. Este cenário deve, portanto, ser evitado em qualquer caso, por meios pacíficos. Uma solução poderia ser o reconhecimento por vários possíveis estados de Taiwan como uma entidade estatal soberana e autônoma, um reconhecimento feito por um grande número de nações e realizado em um momento contemporâneo, forçaria Pequim a tomar conhecimento deste novo estado de coisas, sem ter a possibilidade de retaliação contra países que desejam reconhecer Taiwan internacionalmente. A China, diante de tal mobilização internacional, seria forçada a adotar uma atitude diferente e certamente mais moderada em relação a Taiwan. A implementação desse reconhecimento em um público tão vasto não parece ser algo fácil, mas merece considerações aprofundadas porque seus efeitos seriam capazes de neutralizar a ameaça de um conflito de resultados incertos e limitariam a dimensão internacional de Pequim. , despertando, finalmente, também efeitos sobre o estado dos direitos humanos e civis do país chinês. Ao invés de se engajar apenas no rearmamento preventivo, que seria o único alicerce de uma paz armada, a solução diplomática do reconhecimento de Taiwan poderia representar uma solução pacífica e inteligente, capaz de permitir uma reunião do campo ocidental, agora mais necessário do que nunca, juntos .a um sinal muito forte dirigido à China e como reacção ao seu expansionismo.

Os militares dos EUA reconhecem a baixa credibilidade dos EUA em relação aos seus aliados

Os mais altos oficiais militares dos Estados Unidos, o Comandante do Estado-Maior General e o Comandante do Comando Central, encarregado das operações no Afeganistão, compareceram ao Senado após o apelo para responder ao fim caótico do conflito no País afegão, que trouxe de volta o Taleban ao poder, contra o qual os militares dos EUA lutam desde 2001. Este confronto entre líderes militares e legisladores dos EUA destacou a total falta de acordo entre os militares e o poder executivo, um desacordo que se aplica a tanto Trump, que para Biden, cada vez mais expondo o presidente democrata a uma perigosa semelhança com seu antecessor, de quem ele se distanciou tanto durante a campanha eleitoral. A discórdia entre os militares e a Casa Branca destaca a responsabilidade de Biden nas más relações que ele causou com seus aliados da União Europeia, que parecem não seguir os conselhos de seus líderes militares. As decisões do presidente americano, que sempre assumiu a responsabilidade por suas próprias decisões, não levaram em consideração os conselhos dos militares, optando por análises erradas da inteligência estadunidense. O Chefe do Estado-Maior parecia lamentar a perda de credibilidade dos Estados Unidos por seus aliados europeus, definindo expressamente uma saída inaceitável da guerra do Afeganistão como um dano. Esta constatação, que surge num momento de dificuldade no seio da Aliança Atlântica, alimenta a desconfiança dos europeus em particular e da França em particular, devido à mudança da política externa americana para uma centralidade deslocada do cenário europeu para o asiático. Até o secretário de Defesa, que não concordou com as avaliações do Chefe do Estado-Maior, teve que admitir que a credibilidade americana poderia ser questionada, apesar da convicção pessoal de manter um alto valor de confiabilidade. Mas o maior dano ao prestígio do presidente veio do comandante do Comando Central, que confirmou que a intenção dos líderes militares norte-americanos era manter um contingente de 2.500, opção rejeitada por Biden, mas já acertada com Trump; no entanto, os dois últimos presidentes não queriam considerar uma saída não com base em datas, mas em condições de cumprimento, conforme sugerido pelos militares. A decisão errada também se deveu a uma informação errada da inteligência dos EUA, que acreditava que o exército regular afegão foi capaz de conter a ofensiva do Taleban sem ajuda americana, mas deve ser especificado que o treinamento dos militares afegãos foi atribuído ao exército americano, que, apesar dos vários bilhões de dólares investidos, não foi capaz de levar as forças armadas de Cabul a uma preparação adequada. Apesar dos julgamentos negativos sobre as modalidades da retirada, o Chefe do Estado-Maior reconheceu que a permanência dos militares americanos significaria um confronto no terreno com o Taleban e também sujeitaria as potenciais ameaças das formações do Estado Islâmico presentes no território afegão . As conclusões dos senadores norte-americanos foram que o fracasso do Afeganistão se deveu aos infelizes acordos feitos por Trump com o Talibã (visão democrática), somados à gestão desastrosa de Biden (visão republicana), cujo resultado final foram 2.500 mortes de americanos .e o desperdício de US $ 2,3 trilhões, o que representa um fracasso estratégico dos EUA em escala histórica. Além desta análise, deve-se acrescentar que o país afegão retornará a um território onde as formações terroristas islâmicas podem se reorganizar sem nenhum conflito, uma espécie de base para organizar ataques a países ocidentais, treinar terroristas e tentar propor modelos mais ambiciosos, como o do estado islâmico. A decisão de Biden, se de alguma forma pode ser entendida dentro do quadro de razões políticas internas, reduz a percepção dos EUA como uma grande potência capaz de proteger a si e ao Ocidente de uma ameaça que se torna cada vez mais ameaçadora e, se deveria ocorrer, só pode ser atribuído à má gestão do próprio Biden, que será perseguido por esse motivo também nos livros de história.

Sérvia e Kosovo arriscam conflito

Os movimentos das tropas da Sérvia e do Kosovo na fronteira que divide os dois Estados preocupam a União Europeia e a Aliança Atlântica, que temem confrontos armados entre as duas partes. O Kosovo não é reconhecido como entidade estatal pela Sérvia, mas também pela Rússia, China e Espanha, um dos cinco países europeus a recusar o reconhecimento para não alimentar, mesmo que indiretamente, a questão da independência catalã. A questão que o desencadeou deveu-se à decisão de Pristina, há algum tempo em vigor, de recusar a entrada aos automóveis sérvios, salvo na condição de estar matriculada em matrículas provisórias. As minorias sérvias presentes na parte norte do Kosovo não gostaram da medida e a tensão aumentou até aos danos nos escritórios do registo automóvel e ao bloqueio de estradas. A área do norte do Kosovar não é nova para tais episódios porque, essencialmente, a minoria sérvia rejeita a autoridade do governo de Pristina; A própria Sérvia considera as fronteiras com o Kosovo simples travessias administrativas, precisamente porque recusa o reconhecimento da independência do que ainda considera sua província. Pristina implantou suas forças especiais em áreas da minoria sérvia e proibiu a entrada de carros com placas sérvias em seu território, argumentando que Belgrado implementou medida semelhante, causando, além dos distúrbios e devastação já mencionados, também o bloqueio das vias de comunicação com o resto do o país por meio de bloqueios de estradas implementados com caminhões articulados pela minoria sérvia. Belgrado reconheceu o destacamento de tropas kosovares como uma provocação a ser respondida de forma semelhante: além das forças terrestres sérvias agora presentes na fronteira, a demonstração de força incluiu também o sobrevoo dos territórios do Kosovo com aeronaves militares. O pedido de Belgrado a Pristina é a retirada da disposição sobre a proibição da circulação de carros com placas sérvias para evitar um possível conflito. É claro que essas provocações, que acontecem dos dois lados, são expedientes para suscitar de forma instrumental, talvez por razões de política interna, uma tensão que se arrasta há muito tempo sem uma definição definitiva, capaz de superar a constante. estado de perigo. A diplomacia internacional está ciente de uma possível deriva militar como instrumento de definição da crise e, tanto a União Europeia como a Aliança Atlântica agiram convidando os respectivos países a travar o estado de crise retirando os lados armados que se enfrentam. na linha de fronteira, ressaltando que qualquer ação unilateral será considerada inaceitável. Ambos os governos asseguram que não desejam provocar um conflito, mas ambos, no momento, não parecem estar trabalhando diplomaticamente para um confronto com a outra parte; para a Sérvia, que apresentou oficialmente a sua candidatura a país da União Europeia em 2012, é também uma prova da sua fiabilidade para com Bruxelas, que não pode deixar de ter em conta, de forma negativa, um eventual comportamento irresponsável da parte de Belgrado. Também entra em questão a Albânia, outro país candidato à admissão à União Europeia, com candidatura oficializada em 2014, que vive com preocupação o agravamento negativo da situação, devido aos laços naturais com o Kosovo e a sua maioria albanesa: neste cenário é preciso lembrar que Tirana é membro efetivo da Aliança Atlântica, enquanto Belgrado é apenas membro associado; isto coloca a organização do Pacto Atlântico em uma posição difícil, razão pela qual o Secretário-Geral tem intensificado os esforços para uma definição pacífica da questão, porém o perigo de explosão de um confronto militar dentro do velho continente vem em um momento muito delicado historiador da União Européia pelas sérias dificuldades que atravessa o relacionamento com os Estados Unidos. A possível necessidade de dissuasão de um conflito, presumivelmente, veria Bruxelas como o ator principal, sem o apoio adequado de Washington: um teste para o qual a Europa ainda não está preparada neste momento.

A tensão está crescendo entre a Argélia e o Marrocos

Com o encerramento, pelas autoridades argelinas, do seu espaço aéreo a todas as aeronaves civis e militares marroquinas, aumenta o nível de tensão entre os dois Estados, agravando uma difícil situação diplomática que pode degenerar de forma perigosa. A questão entre os dois Estados do norte da África diz respeito à situação do Saara Ocidental, ao sul de Marrocos, controlado pela Frente Polisário que luta pela independência do governo de Rabat, reivindicando a soberania dos territórios habitados pelo povo sarauí e por este motivo reconhecida pelas Nações Unidas, como legítima representante dessas populações. Esses territórios incluem enormes depósitos de minerais e fosfatos, um material usado para fertilizantes, que é a verdadeira razão pela qual Marrocos se recusa a conceder à Frente Polisário um referendo de independência. Para remediar a situação da anexação destes territórios por Marrocos, ocorrida nos anos setenta do século passado, a Frente Polisario decretou o nascimento da República Árabe Sarauí Democrática, cujo governo no exílio está sediado na Argélia, que, de facto , tornou-se o país patrono desta causa. O país marroquino é apoiado pela sua causa pelos EUA e por Israel, isto em consequência da promessa de Trump de apoiar Rabat em caso de reconhecimento do estado israelita, pelo que Washington reconheceu a soberania de Marrocos sobre os territórios reclamados pela Frente Polisário; recentemente, a Argélia foi atingida por fogo pelas forças armadas marroquinas, que operavam com um drone de fabricação israelense. Rabat, ao longo do ano, abriu duas crises diplomáticas com países europeus: a primeira com a Espanha, por ter acolhido um líder da Frente Polisário para lhe dar tratamento médico, a segunda com a Alemanha, que definiu o Sahara Ocidental como território ocupado por Marrocos e ter solicitado às Nações Unidas uma reunião de emergência do Conselho de Segurança para solicitar a realização do referendo sobre a independência do Sahara Ocidental. Marrocos respondeu a estas solicitações internacionais contra-atacando com uma ação contra a Argélia, pedindo às próprias Nações Unidas o direito à autodeterminação da região argelina de Cabília com uma maioria berbere. Argel já havia classificado o movimento que apóia a autonomia da região berbere como terrorista islâmico e a não retirada da proposta marroquina resultou na retirada do embaixador argelino em Marrocos. Contribuindo para essa tensão diplomática estava a descoberta do uso de Rabat de um software israelense capaz de espionar autoridades argelinas e o suposto envolvimento marroquino nos incêndios que devastaram o norte da Argélia e causaram pelo menos noventa vítimas. A suspensão dos voos com bandeira marroquina sobre os céus da Argélia pretendida pelo governo de Argel insere-se neste cenário de respectivas grosserias, que denotam um confronto de baixa intensidade militar, mas com elevadas tensões diplomáticas, que afectam também as relações económicas: após a retirada de o seu embaixador Argel anunciou a interrupção da exportação do seu gás para Espanha através de Marrocos: para Rabat isto significa uma perda entre 50 e 200 milhões de euros, devido à quota de 7% do valor total do gás que chega ao território espanhol; e a proibição de sobrevôo também afeta a indústria turística marroquina, que viabiliza o desembarque em seu país por meio do tráfego aéreo. Ao nível de uma análise global da região do Sul do Mediterrâneo, há o receio de uma maior desestabilização, que, se somada à situação da Líbia, onde a guerra civil também se estendeu ao Mali e envolve grandes potências, mais ou menos diretamente, pode levar toda a faixa costeira a um estado de incerteza que poderia se refletir nos países europeus ribeirinhos do Mediterrâneo; além disso, o radicalismo islâmico pode aproveitar esta situação como uma oportunidade para se infiltrar nas crises locais e explorar as migrações descontroladas para chegar ao Ocidente. De facto, não se deve esquecer que um dos meios, embora não novos, utilizados por Marrocos para exercer pressão sobre a Espanha, foi precisamente o de deixar as suas fronteiras descontroladas para favorecer um fluxo migratório para o país espanhol. Esta situação é também o enésimo confronto dos EUA com a União Europeia, cada qual apoiando os contendores adversários, sublinhando a profunda divergência de pontos de vista que surgiu no campo ocidental.

Para a Europa, os EUA não são mais confiáveis ​​e Biden se parece cada vez mais com Trump

Como era de se esperar, o acordo militar entre os EUA, Grã-Bretanha e Austrália causou profundo ressentimento na Europa. Esta é uma verdadeira afronta a Bruxelas, mantida no escuro sobre os termos da aliança, se for parte da relação dentro do chamado mundo ocidental. A maior irritação é registrada na França, que, por causa de uma cláusula do acordo que obriga Canberra a adquirir submarinos atômicos americanos, perde um pedido substancial com a Austrália para fornecimento de submarinos a diesel. Um detalhe muito importante é que esta ordem foi confirmada novamente no dia 31 de agosto passado por uma reunião de videoconferência entre os líderes militares dos dois estados, com uma assinatura conjunta, que não prenunciava qualquer repensar, no entanto, nunca comunicada oficialmente. Mas, para além do legítimo ressentimento francês, a União Europeia sofre um evidente erro diplomático, que ameaça ter graves consequências nas relações com os Estados Unidos, tidos como verdadeiros culpados da provocação. A maior decepção é representada pelo presidente Biden, que começou com uma atitude profundamente diferente de seu antecessor, mas que acabou, na verdade, ainda pior para com seus aliados europeus: primeiro a retirada não programada do Afeganistão e agora a criação de uma aliança que o deixa a União Europeia sem qualquer explicação; ou melhor, a explicação poderia ser a consideração de que a Europa é agora um teatro secundário em comparação com a Ásia, o verdadeiro ponto focal dos atuais interesses americanos. Afinal, já com Obama essa supremacia da centralidade asiática sobre o velho continente estava começando a tomar forma, Trump deu continuidade e Biden a fortaleceu ainda mais. Além disso, Biden parece somar-se ao desejo de desviar as principais atenções dos EUA para a Ásia, típica de Obama, com o desejo de Trump de colocar os Estados Unidos na frente de tudo: só assim é possível explicar a grosseria diplomática da Casa Branca. , onde Londres e Canberra estão apenas apoiando subordinados. No entanto, há também a necessidade de ter em conta o desejo da União Europeia de uma autonomia cada vez maior face ao seu principal aliado, factor, no entanto, amplamente justificado, como demonstra esta história. Um outro elemento pode ter sido representado pela posição da União Europeia, que, embora permanecendo fielmente no campo ocidental, buscou um equilíbrio entre Pequim e Washington, para evitar uma degeneração muito perigosa das relações entre as duas superpotências. Neste ponto, a intenção europeia parece ter falhado, com a China acusando abertamente os EUA, Grã-Bretanha e Austrália de abrir uma nova temporada de aumento de armamentos tendo o país chinês como objetivo. O cerne da questão agora é o baixo nível das relações entre Washington e Bruxelas, que, apesar da ausência de declarações oficiais, parece ainda menor do que quando Trump era presidente; Certamente Biden gosta de uma cautela, da qual seu antecessor não aproveitou, talvez pela esperança de um sinal tangível de arrependimento, mas se esta é a tática europeia, as esperanças parecem vãs: o caminho percorrido pela Casa Branca aponta para uma Europa marginal como elemento geoestratégico, fator que também pode repercutir nas relações comerciais. Washington também preencheu o vazio criado pelo Brexit e operou uma tática capaz de ligar Londres mais intimamente ao lado oposto do oceano; este detalhe não deve ser subestimado, pois pode agravar as relações entre o Reino Unido, sempre em busca de expedientes favoráveis ​​a si mesmo no jogo dos acordos pós-Brexit, e a Europa. Foi assim que surgiu o cenário que Trump perseguia sem poder se materializar, agora será preciso ver a capacidade da União de reagir para não se ofuscar e conquistar a posição que há muito almejava no campo internacional e que se frustra com este acordo., que em última análise a vê como uma perdedora e traída, mas no mesmo campo que ela: o ocidental. A derrota, isto é, é ainda mais pesada porque não vem de um adversário, que poderia ser a Rússia ou a própria China, mas do país, que apesar de tudo, foi considerado o maior aliado. Cuidado e prudência devem estar na base dos próximos movimentos da diplomacia europeia, mas com a certa desconfiança de aliados não confiáveis ​​e até mesmo traiçoeiros. A autonomia política e militar da Europa é cada vez mais importante, agora a par da força económica, sobretudo para gerir adversários que têm muito em comum e não estão politicamente distantes como a China e a Rússia.

EUA, Grã-Bretanha e Austrália assinam acordo para conter a China

O acordo firmado entre Estados Unidos, Grã-Bretanha e Austrália para o compartilhamento de habilidades avançadas em questões relativas a armas nucleares, cibersegurança, uso de submarinos a grandes distâncias e inteligência artificial, todos assuntos intimamente ligados ao setor militar, indica que direção geográfica e intenções estratégicas, que Washington pretende favorecer em um futuro próximo; o que se reitera é a centralidade da região do Oceano Pacífico, onde o principal intuito é contrariar e conter a ambição de Pequim, que considera a região como uma área de sua própria influência. Não que Biden seja uma novidade na política externa dos Estados Unidos: Obama, do qual Biden foi vice-presidente, já havia iniciado essa política, movendo a área de interesse americana da Europa para a Ásia, Trump, apesar de suas contradições, executou essa estratégia e agora Biden o confirma, deixando central a questão do domínio das rotas navais, mas não só, do Pacífico. Certamente o aumento da relevância e do grau de confronto, comercial e geopolítico, com a China, obriga os EUA a concentrar os maiores esforços neste jogo, envolvendo, no entanto, outros assuntos internacionais, que são aliados fiéis e têm interesses diretos. a região, Austrália, ou a necessidade de encontrar novas soluções financeiras, bem como políticas, devido à saída da Europa. Não envolvendo a União Europeia, mas apenas dois países que têm um peso específico internacional inferior, em comparação com Bruxelas, pode significar que, atualmente, a Casa Branca pode preferir uma relação mais desequilibrada a seu favor; afinal, a política americana, apesar das premissas desse presidente, tem de fato mantido distância da Europa quase como na época de Trump, e a retirada unilateral do Afeganistão foi mais uma prova disso. Além disso, a saída do país asiático, considerada um objetivo não estratégico para os EUA, permitirá a Washington realocar novos recursos financeiros justamente para o desafio direto com a China. Pequim está se expandindo de maneira avassaladora também na África e na América do Sul, mas os EUA focam sua atenção nas áreas do Pacífico, talvez também para não repetir os erros de expandir demais as áreas de ação, onde o poder militar chinês se mostra com maior arrogância Nessa perspectiva, o envolvimento da Índia, natural adversário chinês, no presidium do Pacífico também reabre cenários preocupantes sobre as consequências desses arranjos internacionais. A política norte-americana de alianças militares envolve também a indústria bélica, causando estragos na aliança com a Europa e em particular com a França: o acordo com a Austrália prevê o fornecimento de submarinos nucleares ao estado da Oceania, que tem contrato em andamento com Paris neste frente; devido à desaceleração da oferta, Washington entrou na relação comercial e pode anular a oferta francesa. É compreensível que a Europa seja tratada como aliada secundária, processo iniciado por Trump irritado com a baixa contribuição econômica e a disposição de Bruxelas em preferir sua própria indústria bélica, em detrimento da americana. Para a União Europeia, estes são sinais inequívocos e a Comissão Europeia está a fazer bem em procurar a sua própria autonomia militar, dotando-se de uma primeira força de intervenção rápida, a primeira peça de um possível exército supranacional. O acordo com Londres e Canberra envolve, portanto, muito mais do que os aspectos geoestratégicos do Pacífico, que parecem ser válidos como tal apenas para a Austrália, mas dizem respeito à própria visão da Aliança Atlântica, cada vez mais reduzida a uma organização marginal precisamente por causa da vontade de Washington. A percepção é que os Estados Unidos optam por uma abordagem cada vez menos compartilhada para a gestão da política externa no tema das relações com a China, que atualmente representa o ápice do cenário internacional; no entanto, ao envolver a Europa e a própria Aliança Atlântica, denuncia uma fraqueza básica, que apenas confirma a possibilidade de novos erros táticos por parte de Washington. Se se quer manter a liderança internacional, não se pode privilegiar um único lugar de confronto, mas pelo menos presidir as áreas mais importantes, ação que a China tenta fazer, às vezes tomando o lugar dos americanos. O jogo é global e deve ser conduzido como tal, caso contrário a fragmentação do Ocidente só será uma vantagem para Pequim.

Depois do caso afegão, a União Europeia precisa de sua própria força militar autônoma

A queda de Cabul, devido à decisão unilateral dos Estados Unidos de se retirar do país, decisão tomada de forma independente por Washington e não acordada com os aliados, evidenciou o desequilíbrio das relações bilaterais entre EUA e Europa, com Bruxelas em claro desvantagem e com um estado de dependência substancial da Casa Branca. Isto coloca sérias questões para as perspectivas geopolíticas da Europa e realça, uma vez mais, a necessidade de uma força militar europeia autónoma. Na última reunião informal de chanceleres da União, avaliou-se a criação de um batalhão de intervenção rápida, composto por cerca de 5.000 efectivos, capaz de intervir com prontidão em quaisquer teatros de crise. Ainda não seria um exército europeu, mas seria um começo para uma autonomia estratégica, necessária para que a Europa desempenhasse um papel político de destaque na cena mundial. Esta necessidade é vista também como um factor unificador entre os países europeus, mas os países bálticos e a Polónia sempre preferiram a organização de defesa através da Aliança Atlântica, organização à qual, precisamente pela preeminência dos EUA dentro dela, vários europeus países começaram a ser cautelosos. Mesmo que não se trate de deixar a Aliança Atlântica, reconhece-se que sua margem de manobra é cada vez mais limitada e funcional aos interesses americanos, mais do que aos coletivos; esta consciência, que já existia antes da retirada unilateral do Afeganistão e, sobretudo, pelas atitudes de Trump, não mudou com Biden, de quem esperava uma mudança, que não chegou. Para vencer a resistência de países cépticos à autonomia militar europeia, que deverá prever um compromisso financeiro, o chanceler alemão propôs criar a força de intervenção rápida por maioria qualificada, superando o limiar da unanimidade, com fornecimento de tropas apenas por os países voluntários. A questão, portanto, corre o risco de ser mais um fator de divisão entre europeus convictos e europeístas por conveniência e representa mais um fator de reflexão sobre a conveniência de continuar a manter unidas nações que não compartilham os pressupostos europeus e levanta a questão concreta sobre o significado da presença de países céticos em relação à instituição europeia. Biden, no qual tantas esperanças foram depositadas pelos europeus, ainda que de formas diferentes, parece querer continuar, ainda que de forma atenuada, a política de isolamento dos Estados Unidos e acaba sendo um parceiro menos confiável do que o esperado: esta consideração está associada a questões urgentes relativas ao terrorismo islâmico presente nas fronteiras europeias, tanto na Ásia como na África. A necessidade de combater este fenómeno, que após a conquista do Afeganistão pelos talibãs está destinada a aumentar, colide com a consciência de que os europeus estarão sozinhos na luta contra os radicais islâmicos para defender a sua segurança. Para tal, a Europa necessita de mudar de atitude perante si própria, deixando de se considerar apenas um agregado financeiro onde a cola é apenas o mercado, mas aceitando estruturar a sua própria política externa desligada dos interesses dos Estados individuais, mas funcional para os interesse geral; fazer isso requer um esforço das nações no sentido de uma transferência de ações soberanas e também novos mecanismos de decisão, capazes de superar a agora absurda regra do voto unânime. Como se vê, a decisão de criar uma força europeia de intervenção rápida, primeiro passo possível para o exército comum, envolve uma quantidade muito maior e muito mais importante de argumentos, capazes de fazer variar a estrutura atual. Poderia ser um teste para ver quem realmente quer se comprometer com uma Europa unida e encontrar os países prontos para receber apenas os aspectos positivos, entre os quais os financeiros estão em primeiro lugar; inversamente, uma renúncia à participação dos países eurocépticos poderia restringir a extensão territorial, mas permitiria uma melhor alocação de recursos e planos e programas mais partilhados. É chegado o momento de resolver os conflitos indefinidos no interior da União, nomeadamente no que se refere à emergência ditada pelo esperado ressurgimento do terrorismo, que terá a Europa como um dos principais objectivos dos radicais islâmicos. Esta necessidade de defesa exige uma defesa rápida e partilhada decisões, que não podem incluir posições inúteis e inconsistentes com interesses supranacionais; a partir daqui, a Europa poderá avançar para o lançamento concreto do projeto de federação europeia.

Paquistão e Talibã: uma relação com possíveis consequências negativas

A satisfação dos líderes paquistaneses com o fato de o Talibã ter rompido as cadeias da escravidão é mais uma confirmação de como Islamabad é um país não confiável na luta contra o terrorismo e um aliado com propósitos bem diferentes dos Estados Unidos. Esta não é uma notícia nova, mas assume um significado diferente com a queda de Cabul nas mãos de forças islâmicas radicais. O apoio dos serviços secretos do Paquistão tem sido contínuo e constante e paralelo à luta travada com Washington contra a Al Qaeda, mas é chegado o momento de esclarecer, tanto em Islamabad como nos Estados Unidos, as relações de colaboração mútua e o futuro. relações entre os dois países. A Casa Branca deve isso ao seu próprio país, mas também aos seus aliados ocidentais, que sempre seguiram seu compromisso no Afeganistão, com a atual ameaça da atitude do Paquistão; certamente o perigo a ser avaliado é o de deixar muito espaço para a China no Paquistão, em caso de agravamento das relações: mas este é um risco a ser calculado, também para colocar Pequim em crise, em relação à qual a atitude do Paquistão, no Questão afegã, certamente não mudará. No entanto, é também necessário fazer uma análise no próprio Paquistão, que, como primeiro e mais imediato problema, enfrenta um enorme êxodo de refugiados que fogem do extremismo islâmico, depois de ter experimentado melhorias significativas, graças à intervenção americana. este aspecto está intimamente ligado às prováveis ​​queixas internacionais pela falta de respeito pelos direitos humanos, pela discriminação das mulheres e pela proximidade de grupos islâmicos radicais e violentos. Essas considerações devem necessariamente estar presentes nas avaliações que Islamabad deve fazer sobre a relação custo e benefício, referente à relação com o Talibã, que é considerado estratégico em uma função anti-indiana: um governo afegão favorável ao Paquistão, nesta perspectiva, é considerado extremamente funcional aos interesses da política geoestratégica do país; no entanto, isso permitiu o desenvolvimento de um movimento do Taleban paquistanês, considerado por vários analistas como um possível fator de desestabilização nacional, precisamente por causa do aumento do poder do Taleban afegão. A impressão é que o Paquistão perdeu o controle sobre um fenômeno que acreditava saber controlar e que agora obriga o governo a fazer reflexões concretas, tanto sobre as relações com a nova ordem afegã, quanto sobre os problemas internos e sobre a dialética com os Estados Unidos. Estados. Em relação à origem tribal do Taleban afegão, deve-se destacar que o componente pashtun é majoritário, mas também está muito presente em território paquistanês. A questão alarma, e não pouco, os outros principais aliados de Islamabad, bem como, é claro, os já mencionados Estados Unidos; A Arábia Saudita e a China temem concretamente a exportação do terrorismo, que já se espalhou para fora da região com a expulsão do Talibã do governo afegão em 2001. O verdadeiro temor é que o entusiasmo pela tomada do poder do Talibã no Afeganistão possa agir como um estímulo para grupos islâmicos radicais operando em outros países; daí a provável pressão de Pequim e Riade em Islamabad para impedir o apoio da nova potência afegã a grupos armados com alvos potenciais fora das fronteiras de Cabul. É claro que essas pressões podem se materializar em medidas econômicas, capazes de colocar em grande dificuldade um país com graves déficits de dados econômicos. Por todas essas razões, o entusiasmo pela conquista talibã de Cabul e do país afegão foi oficialmente contido, tanto que foi realizado um reconhecimento oficial do Talibã, sobre o qual permanece a definição de grupo terrorista pelas Nações Unidas. O governo de Islamabad, a respeito do reconhecimento do Talibã, parece estar orientado para uma consulta que deverá incluir, não só as potências regionais do país, mas também as autoridades internacionais. Para além destas considerações, que parecem viciadas pela hipocrisia, o papel do Paquistão continua a ser central para a influência do novo governo em Cabul, quando o conseguiu formá-lo, mas sobretudo nas relações com o Taliban e, consequentemente, nas relações que Islamabad poderá fazer. ter com toda a comunidade internacional.

Repensando a política externa dos EUA: uma necessidade para o Ocidente

A evolução descendente da política externa americana, culminando na retirada precipitada do Afeganistão, é uma tendência descendente, que aproxima o país norte-americano da perda da liderança mundial. Embora Washington ainda seja a primeira potência mundial, a distância, não só da China, com outras superpotências está diminuindo consideravelmente. Passamos de um cenário bipolar nos anos 80, com os EUA competindo com a URSS, para uma fase, após o colapso do gigante soviético, de um papel substancial como a única grande potência planetária para um cenário multipolar vindouro, onde a Casa Bianca , é improvável que tenha uma influência decisiva em todas as questões internacionais. Os EUA provavelmente continuarão a ser a primeira potência mundial, mas com a China muito próxima e com uma série de atores regionais capazes de fazer sentir o seu papel em áreas mais restritas, mas onde a especificidade de exercer o seu próprio peso representará um obstáculo. quer desempenhar um papel de supremacia planetária. Isso vale tanto para as estratégias geopolíticas, que incluem recursos militares, quanto para as econômicas, muitas vezes inextricavelmente ligadas a equilíbrios de natureza política, onde também surge o componente religioso. O declínio americano começou evidentemente com Obama, que não queria se envolver no conflito sírio, Trump continuou com sua visão de sair da política externa, com a ideia de desviar recursos para a economia doméstica, calculando mal e com visão, que para seja o primeiro, também é necessário se engajar em cinemas externos; no final chegou Biden, que frustrou anos de luta contra o terrorismo, com uma retirada que deveria estabilizar seu consenso, obtendo, em vez disso, o resultado inesperado de uma aversão geral a essa decisão até mesmo dentro de seu próprio partido. Três presidentes, um após o outro, erraram porque avaliaram muito o peso das pesquisas, adaptando-se à tendência geral da visão de curto prazo, não estimularam efetivamente os aliados, fossilizaram em táticas exclusivamente militares, sem considerar a adequada importância das infra-estruturas sociais e o envolvimento de boa parte das populações locais, atitude que tem favorecido uma burocracia ineficaz e corrupta. Esses erros não foram cometidos apenas uma vez, mas se repetiram em vários cenários de intervenção e se prolongaram ao longo do tempo e denunciam claramente uma inadequação da classe política e administrativa americana: deficiências que um estado que deseja exercer a liderança mundial não pode suportar. no entanto, esses erros são ainda mais graves em uma situação internacional muito alterada, que viu a chegada de novos concorrentes capazes de abalar a supremacia americana. Certamente a China é o principal competidor: o avanço econômico de Pequim, porém, teve que impedir que os EUA permanecessem em um estado de indefinição, caracterizado por uma falta de clareza e previsão, ou seja, uma pequena navegação costeira que o tornou perdeu de vista o todo e determinou um fechamento em si mesmo, que comprometeu também por muito tempo as relações com os principais aliados, os europeus. Mas a própria Europa acabou se revelando um elo fraco na política externa americana, não que isso fosse um aspecto desconhecido e que também tivesse sido conveniente para os americanos, apenas que, no contexto alterado, ter aliados sempre muito dependentes se mostrou deletério . Os EUA precisam da Europa e vice-versa, nem que seja para tentar desacelerar o avanço econômico chinês, mas essa meta é muito restritiva para que os valores ocidentais prevaleçam, e é sobre essa questão que os EUA devem se perguntar: ir para além dos seus interesses imediatos de arrecadar mais no futuro, também do ponto de vista geoestratégico, mas também económico. Somente integrando ainda mais a ação dos Estados Unidos e da Europa pode-se reafirmar uma supremacia, não mais americana, mas ocidental. É necessário muito trabalho de mediação porque os desafios e cenários serão múltiplos e nem todos poderão impor uma síntese nem sempre alcançável, mas esta é a única forma de tentar conter o terrorismo e as ditaduras e encontrar novos caminhos para a afirmação da democracia, mesmo em formas diferentes, mas de forma a superar as formas ditatoriais políticas e religiosas, que querem se infiltrar em nossas democracias imperfeitas.

União Europeia em dificuldade com novos fluxos migratórios do Afeganistão

A União Europeia está alarmada com as possíveis consequências, especialmente a nível interno, das migrações do Afeganistão, que se prevê que sejam em número muito significativo. Potencialmente, espera-se uma situação muito complicada de gerir: a preocupação imediata é a gestão dos fluxos migratórios, mas a evolução das relações entre os Estados europeus, muitos dos quais já afirmaram não ter intenção de acolher, é considerada muito mais preocupantes refugiados e, na verdade, operar rejeições e repatriações. No curto prazo, a intenção de Bruxelas é fortalecer o apoio econômico às nações que se envolverão imediatamente nos movimentos migratórios, com o intuito de favorecer a permanência nos países imediatamente envolvidos, mas esta é obviamente uma solução que não tem. uma visão de longo prazo; o objetivo é levar tempo para desenvolver táticas e estratégias capazes de conciliar as necessidades de todos os membros europeus, mas negligenciando os princípios da solidariedade entre os Estados, na base da própria permanência na União. O país com o maior número de afegãos em seu território é a Alemanha, que disse não querer aumentar o número de migrantes desse país. Neste momento, os chanceleres dos países europeus, com exclusão da Hungria e da Hungria, assinaram uma declaração, juntamente com os EUA, que deverá permitir a todos os cidadãos afegãos que pretendam deixar o seu país, através das fronteiras dos países vizinhos, mas é uma declaração de princípio, que não oferece uma solução material para o abrigo e assistência aos migrantes que fogem do Talibã. Posição hipócrita, ainda que as responsabilidades americanas sejam evidentes: o comportamento de Washington, além de abandonar os civis afegãos à ditadura religiosa do Talibã, primeiro expõe os países vizinhos e depois a Europa, a um significativo impacto migratório, que é o Trágico ele responde sobre o que aconteceu com a Síria, quando a preguiça do governo Obama permitiu uma guerra trágica, que se espalhou por grande parte do Oriente Médio. A Europa corre o risco de uma nova suspensão do tratado de Schengen e Biden deve refletir muito sobre este elemento, depois do que parecia ser uma atitude favorável com seus antigos aliados. Essas considerações devem levar em conta a questão dentro da Europa, representada pelas próximas eleições alemãs, que decidirão o sucessor da Chanceler Merkel: em Berlim o debate sobre as escolhas da Aliança Atlântica tem se mostrado muito crítico com Washington e isso pode se tornar um problema para Biden, que pode piorar com o problema da migração. Como de costume, Bruxelas segue Berlim e, embora de forma menos dura, condena a ação americana, amparada nos dados que a retirada dos Estados Unidos vai produzir: estima-se que os 12 milhões da população afegã que já teve dificuldade em encontrar comida na o antigo regime, aumentará para 18 milhões de habitantes, com o Taleban no governo. Assim, a emergência migratória não será apenas política, mas também alimentar e a relativa curta distância de 4.500 quilômetros que separa o país afegão da Europa se transformará em uma nova rota de refugiados. Nesse cenário, o papel de países como Irã e Paquistão torna-se crucial para oferecer apoio aos migrantes e evitar desdobramentos perigosos nas relações dentro da Europa. No momento o Irã acolhe pelo menos 3,5 milhões de refugiados e por isso Bruxelas financia Teerã com cerca de 15 milhões de euros, se o papel iraniano se tornar ainda mais importante para reduzir a pressão migratória, bem como um necessário aumento de financiamento., Não está excluído que Teerã não pode exigir também uma revisão das sanções, causando um choque entre a Europa e os EUA: um argumento que a Casa Branca não deve subestimar. O papel do Paquistão também é importante, recebendo mais 3 milhões de refugiados e já recebeu 20 milhões de euros em 2020 e 7, até agora, em 2021. A concomitância de financiamento insuficiente das Nações Unidas obriga a Europa a levantar fundos para países que lhes permitem aliviar sua pressão migratória. Evidentemente, uma tática criada exclusivamente desta forma expõe Bruxelas a uma potencial chantagem e a fragilidade internacional da União não ajuda a ultrapassar este perigo: mais uma razão para configurar a política europeia de uma forma diferente, para se tornar um político assunto de primeira grandeza, para além do atual papel puramente econômico.