EUA, Grã-Bretanha e Austrália assinam acordo para conter a China

O acordo firmado entre Estados Unidos, Grã-Bretanha e Austrália para o compartilhamento de habilidades avançadas em questões relativas a armas nucleares, cibersegurança, uso de submarinos a grandes distâncias e inteligência artificial, todos assuntos intimamente ligados ao setor militar, indica que direção geográfica e intenções estratégicas, que Washington pretende favorecer em um futuro próximo; o que se reitera é a centralidade da região do Oceano Pacífico, onde o principal intuito é contrariar e conter a ambição de Pequim, que considera a região como uma área de sua própria influência. Não que Biden seja uma novidade na política externa dos Estados Unidos: Obama, do qual Biden foi vice-presidente, já havia iniciado essa política, movendo a área de interesse americana da Europa para a Ásia, Trump, apesar de suas contradições, executou essa estratégia e agora Biden o confirma, deixando central a questão do domínio das rotas navais, mas não só, do Pacífico. Certamente o aumento da relevância e do grau de confronto, comercial e geopolítico, com a China, obriga os EUA a concentrar os maiores esforços neste jogo, envolvendo, no entanto, outros assuntos internacionais, que são aliados fiéis e têm interesses diretos. a região, Austrália, ou a necessidade de encontrar novas soluções financeiras, bem como políticas, devido à saída da Europa. Não envolvendo a União Europeia, mas apenas dois países que têm um peso específico internacional inferior, em comparação com Bruxelas, pode significar que, atualmente, a Casa Branca pode preferir uma relação mais desequilibrada a seu favor; afinal, a política americana, apesar das premissas desse presidente, tem de fato mantido distância da Europa quase como na época de Trump, e a retirada unilateral do Afeganistão foi mais uma prova disso. Além disso, a saída do país asiático, considerada um objetivo não estratégico para os EUA, permitirá a Washington realocar novos recursos financeiros justamente para o desafio direto com a China. Pequim está se expandindo de maneira avassaladora também na África e na América do Sul, mas os EUA focam sua atenção nas áreas do Pacífico, talvez também para não repetir os erros de expandir demais as áreas de ação, onde o poder militar chinês se mostra com maior arrogância Nessa perspectiva, o envolvimento da Índia, natural adversário chinês, no presidium do Pacífico também reabre cenários preocupantes sobre as consequências desses arranjos internacionais. A política norte-americana de alianças militares envolve também a indústria bélica, causando estragos na aliança com a Europa e em particular com a França: o acordo com a Austrália prevê o fornecimento de submarinos nucleares ao estado da Oceania, que tem contrato em andamento com Paris neste frente; devido à desaceleração da oferta, Washington entrou na relação comercial e pode anular a oferta francesa. É compreensível que a Europa seja tratada como aliada secundária, processo iniciado por Trump irritado com a baixa contribuição econômica e a disposição de Bruxelas em preferir sua própria indústria bélica, em detrimento da americana. Para a União Europeia, estes são sinais inequívocos e a Comissão Europeia está a fazer bem em procurar a sua própria autonomia militar, dotando-se de uma primeira força de intervenção rápida, a primeira peça de um possível exército supranacional. O acordo com Londres e Canberra envolve, portanto, muito mais do que os aspectos geoestratégicos do Pacífico, que parecem ser válidos como tal apenas para a Austrália, mas dizem respeito à própria visão da Aliança Atlântica, cada vez mais reduzida a uma organização marginal precisamente por causa da vontade de Washington. A percepção é que os Estados Unidos optam por uma abordagem cada vez menos compartilhada para a gestão da política externa no tema das relações com a China, que atualmente representa o ápice do cenário internacional; no entanto, ao envolver a Europa e a própria Aliança Atlântica, denuncia uma fraqueza básica, que apenas confirma a possibilidade de novos erros táticos por parte de Washington. Se se quer manter a liderança internacional, não se pode privilegiar um único lugar de confronto, mas pelo menos presidir as áreas mais importantes, ação que a China tenta fazer, às vezes tomando o lugar dos americanos. O jogo é global e deve ser conduzido como tal, caso contrário a fragmentação do Ocidente só será uma vantagem para Pequim.