União Europeia e China chegam a acordo para reequilibrar as relações comerciais

Paralelamente às negociações para a saída da Grã-Bretanha, a União Europeia conduziu uma negociação igualmente complicada com a China, que durou ainda mais do que a de Londres; depois de sete anos, de fato, Bruxelas e Pequim concluíram um acordo para reequilibrar suas relações comerciais, até agora enviesadas em favor dos chineses. A conclusão da negociação deverá, finalmente, permitir às empresas europeias o acesso ao vasto mercado chinês, eliminando também as práticas discriminatórias com que a burocracia chinesa assediou os investidores europeus. O acordo centra-se em três pontos principais: O compromisso de Pequim tem garantido maior transparência nos subsídios estatais concedidos às empresas chinesas, para favorecer maiores condições de equidade para a concorrência, uma orientação para uma abordagem diferente das instituições chinesas para garantir as paridade entre empresas locais e europeias e, por fim, uma desaceleração na transferência de tecnologia, que, até agora, tem sido um dos pontos fortes do sistema produtivo chinês. Sem dúvida, este acordo não resolve completamente os problemas da relação com o mundo produtivo chinês, mas representa um avanço nas relações bilaterais, ainda que depois de sete anos o resultado pareça inferior ao esperado e não permita recuperar a lacuna que este tempo criou justamente no vantagem de Pequim; no entanto, o acesso a um grande mercado como o chinês, especialmente quando a política econômica e financeira do governo chinês pretendia privilegiar o mercado interno, representa uma oportunidade importante demais, em sentido absoluto, tanto no futuro quanto enquadrada no momento atual de dificuldade econômica. Em termos concretos, a China abre à concorrência setores como serviços em nuvem, finanças, saúde privada e serviços ambientais e de transporte, que eram inteiramente reservados para empresas locais; o acordo também abre novas perspectivas no setor manufatureiro, que representa mais de 50% do total dos investimentos europeus na China; também no setor automobilístico, que representa amplas margens de desenvolvimento graças à tração elétrica, surgirão novas oportunidades graças à eliminação gradativa da obrigação de constituição de sociedades mistas: os investimentos europeus na China neste setor representam uma parcela significativa de 28% do total, portanto, destinadas a crescer com a nova regulamentação. Mais polêmicas são as reais solicitações que a Comissão Europeia teria obtido da China em relação a um maior respeito ao meio ambiente e, sobretudo, aos direitos trabalhistas: no passado, Pequim já havia se comprometido com essas questões, porém sem cumprir sua palavra. encontro; desta vez entre as garantias à Europa, a República Popular da China prometeu adotar, ainda que gradativamente, todas as convenções da Organização Internacional do Trabalho, é uma questão que deve ser decisiva para chegar a acordos com a superpotência econômica chinesa, tanto do ponto de vista moral quanto do puro aproveitamento econômico para estabelecer condições equitativas de acesso ao mundo do trabalho, como componente determinante do processo econômico. Essas considerações abrem um raciocínio complexo sobre a conveniência do acordo com a China: estabeleceu que durante a presidência francesa em 2022, serão feitas avaliações extensas sobre as relações com o país chinês, as dúvidas, amplamente expressas, permanecem para a repressão operada pelo regime de Xi. Jinping em Hong Kong, contra as populações dos uigures, do Tibete e contra a oposição interna, incluindo através da perseguição de jornalistas e activistas dos direitos humanos. Nas instituições europeias, nem todos são a favor deste acordo, por exemplo o presidente do Parlamento Europeu para as relações com a China, definiu o tratado como um erro estratégico e o principal aliado europeu, os Estados Unidos, manifestou preocupação; se para a economia o acordo pode ser considerado uma oportunidade, numa avaliação mais geral não se pode dizer que o país com o qual foi estipulado esse tratado é uma ditadura, que tem todos os interesses, tanto econômicos quanto políticos. , ter relações cada vez mais seguras com o maior mercado do mundo e tentar penetrar cada vez mais na sociedade europeia. O modelo chinês é visto com inveja por muitos da classe dominante corporativa e isso constitui um ponto forte para Pequim, que, ao contrário, deve ser estimulada, especialmente com a alavanca econômica, a se aproximar dos valores ocidentais: e não o contrário.