Na questão ucraniana, a Europa é marginal

Na situação ucraniana, a União Europeia não desempenha um papel de liderança devido à exclusão das conversações que Putin mantém regularmente com os EUA e a Aliança Atlântica. Essa situação de marginalização é compreensível se considerarmos as razões de Putin, que intencionalmente não quer outros protagonistas próximos aos Estados Unidos na mesa de negociações e, ao mesmo tempo, continua em seu trabalho de dividir aliados ocidentais, mas a falta de envolvimento em a parte de Washington, que deveria exigir a presença de Bruxelas nas negociações, parece muito séria. Sobre a questão, podem ser feitas hipóteses que, se verdadeiras, podem levar a uma situação difícil entre as duas partes. Em primeiro lugar, é singular que nem os EUA nem a Aliança Atlântica sentissem necessidade de uma presença europeia: não se pode deixar de pensar no ressentimento de ambas as partes pelo desejo de criar uma força armada constituída directamente pela União Europeia, que foi interpretada no exterior como alternativa à Aliança Atlântica e, portanto, à influência americana, tanto do ponto de vista estratégico, político e também econômico, dado o grande jogo de ordens militares que está em jogo; no entanto, a Alemanha ainda tenta voltar ao jogo diplomático, aproveitando a passagem do secretário de Estado norte-americano e envolvendo também a França e o Reino Unido. Berlim, com essa manobra, porém, joga um único jogo, desvinculado de uma desejável ação europeia. Certamente reconhecendo que a questão central é a manutenção da ordem e da paz é uma questão essencial para a Europa, parece uma conclusão precipitada, que não faz nada além de renovar a marginalidade da União. Embora a Europa aspire a um papel de destaque, a estratégia alemã parecia ser um cruzamento entre uma tentativa amadora e uma manobra arriscada. A França teria a intenção de que a União tomasse sua própria ação diplomática em relação a Moscou, mas o temor é que os Estados Unidos não gostem dessa iniciativa alternativa e que a falta de poder de barganha europeu em relação à Rússia determine uma iniciativa com poucas consequências práticas, mas com repercussões políticas muito negativas. Por outro lado, as intenções em relação à Rússia, no caso de uma invasão da Ucrânia, são muito diferentes: se Washington chega a favorecer uma resposta militar, mesmo que precedida de fornecimento de armas a Kiev e pesadas sanções econômicas, a Europa se concentra exclusivamente sobre o diálogo, porque está demasiado envolvido em quaisquer sanções contra Moscovo devido aos laços económicos e à dependência do fornecimento de energia proveniente do país russo. A Europa encontra-se num impasse devido à crônica falta de uma política externa e econômica, especialmente insuficiente na questão do abastecimento de energia, que afeta todos os movimentos possíveis. Os próprios Estados Unidos estão se movendo com a maior cautela, atitude que pode ser confundida com fraqueza por Putin, que continua abordando o confronto de forma preocupante. A Rússia ficou com muita liberdade de manobra, alegando que sua área de influência sobre os territórios que pertenciam ao antigo império soviético pode ser compreensível, mas não é tolerável forçar estados e povos que não gostem dessa solução; Enquanto isso, o objetivo final de Putin não é ter estados democráticos em suas fronteiras para evitar contágios perigosos com a população russa, já muito insatisfeita com o estado das coisas, este é o objetivo principal, o segundo, o oficial, de recusar a presença de a Aliança Atlântica em suas fronteiras pode ter justificativas estratégicas que não se conciliam com a autodeterminação das nações soberanas. Só isso bastaria para superar as perplexidades europeias de cunho econômico: o avanço russo, que sim, nas fronteiras da União é um fator de desestabilização perigosa da ordem europeia, especialmente com Estados dentro da União onde sopram sentimentos antidemocráticos, que Bruxelas já não deveria tolerar. Apesar de todas as dúvidas legítimas, a Europa deve apoiar fortemente os Estados Unidos para conter Putin e justamente a falta dessa convicção determina sua marginalidade, que não pode ser superada enquanto essas posições demasiado tímidas e moderadas contra a prevaricação da democracia forem mantidas.