Depois do caso afegão, a União Europeia precisa de sua própria força militar autônoma

A queda de Cabul, devido à decisão unilateral dos Estados Unidos de se retirar do país, decisão tomada de forma independente por Washington e não acordada com os aliados, evidenciou o desequilíbrio das relações bilaterais entre EUA e Europa, com Bruxelas em claro desvantagem e com um estado de dependência substancial da Casa Branca. Isto coloca sérias questões para as perspectivas geopolíticas da Europa e realça, uma vez mais, a necessidade de uma força militar europeia autónoma. Na última reunião informal de chanceleres da União, avaliou-se a criação de um batalhão de intervenção rápida, composto por cerca de 5.000 efectivos, capaz de intervir com prontidão em quaisquer teatros de crise. Ainda não seria um exército europeu, mas seria um começo para uma autonomia estratégica, necessária para que a Europa desempenhasse um papel político de destaque na cena mundial. Esta necessidade é vista também como um factor unificador entre os países europeus, mas os países bálticos e a Polónia sempre preferiram a organização de defesa através da Aliança Atlântica, organização à qual, precisamente pela preeminência dos EUA dentro dela, vários europeus países começaram a ser cautelosos. Mesmo que não se trate de deixar a Aliança Atlântica, reconhece-se que sua margem de manobra é cada vez mais limitada e funcional aos interesses americanos, mais do que aos coletivos; esta consciência, que já existia antes da retirada unilateral do Afeganistão e, sobretudo, pelas atitudes de Trump, não mudou com Biden, de quem esperava uma mudança, que não chegou. Para vencer a resistência de países cépticos à autonomia militar europeia, que deverá prever um compromisso financeiro, o chanceler alemão propôs criar a força de intervenção rápida por maioria qualificada, superando o limiar da unanimidade, com fornecimento de tropas apenas por os países voluntários. A questão, portanto, corre o risco de ser mais um fator de divisão entre europeus convictos e europeístas por conveniência e representa mais um fator de reflexão sobre a conveniência de continuar a manter unidas nações que não compartilham os pressupostos europeus e levanta a questão concreta sobre o significado da presença de países céticos em relação à instituição europeia. Biden, no qual tantas esperanças foram depositadas pelos europeus, ainda que de formas diferentes, parece querer continuar, ainda que de forma atenuada, a política de isolamento dos Estados Unidos e acaba sendo um parceiro menos confiável do que o esperado: esta consideração está associada a questões urgentes relativas ao terrorismo islâmico presente nas fronteiras europeias, tanto na Ásia como na África. A necessidade de combater este fenómeno, que após a conquista do Afeganistão pelos talibãs está destinada a aumentar, colide com a consciência de que os europeus estarão sozinhos na luta contra os radicais islâmicos para defender a sua segurança. Para tal, a Europa necessita de mudar de atitude perante si própria, deixando de se considerar apenas um agregado financeiro onde a cola é apenas o mercado, mas aceitando estruturar a sua própria política externa desligada dos interesses dos Estados individuais, mas funcional para os interesse geral; fazer isso requer um esforço das nações no sentido de uma transferência de ações soberanas e também novos mecanismos de decisão, capazes de superar a agora absurda regra do voto unânime. Como se vê, a decisão de criar uma força europeia de intervenção rápida, primeiro passo possível para o exército comum, envolve uma quantidade muito maior e muito mais importante de argumentos, capazes de fazer variar a estrutura atual. Poderia ser um teste para ver quem realmente quer se comprometer com uma Europa unida e encontrar os países prontos para receber apenas os aspectos positivos, entre os quais os financeiros estão em primeiro lugar; inversamente, uma renúncia à participação dos países eurocépticos poderia restringir a extensão territorial, mas permitiria uma melhor alocação de recursos e planos e programas mais partilhados. É chegado o momento de resolver os conflitos indefinidos no interior da União, nomeadamente no que se refere à emergência ditada pelo esperado ressurgimento do terrorismo, que terá a Europa como um dos principais objectivos dos radicais islâmicos. Esta necessidade de defesa exige uma defesa rápida e partilhada decisões, que não podem incluir posições inúteis e inconsistentes com interesses supranacionais; a partir daqui, a Europa poderá avançar para o lançamento concreto do projeto de federação europeia.