No Irã, o novo presidente assume o poder

O presidente eleito do Irã, Ebrahim Raisi, apresenta-se com personagens populistas, neste se conformando às tendências de muitas democracias ocidentais, defensor das classes mais fracas do país e com um papel a assumir como protagonista na luta contra a corrupção, interpretou do ponto de vista político do ultraconservador; naturalmente também com a firme vontade de manter o atual estado de ordem no Irã. Seu traje usual, uma longa capa escura e um turbante, também denota suas idéias, que vêm do clero xiita mais tradicional. Esta eleição representa um problema diplomático para o país iraniano, pois o novo presidente está na lista negra de Washington devido a gravíssimas acusações que consistem na violação dos direitos humanos, acusações sempre negadas pelo Estado iraniano; mas também do ponto de vista interno, sua vitória eleitoral, embora obtida no primeiro turno, foi marcada por uma grande abstenção, o que coloca dúvidas, não sobre a legitimidade do voto, mas sobre a análise política do clima político interno. A quase total desconfiança das classes mais progressistas nos candidatos presentes levou a uma abstenção geral do voto da parte da população alternativa aos conservadores, favorecendo de forma decisiva a vitória de Raisi. O novo presidente assumirá suas funções, depois do mais moderado Hasan Rohani, que conseguiu chegar a um acordo com a comunidade internacional em 2015, com a crise do programa nuclear que já durava doze anos; esse elemento preocupa profundamente a comunidade diplomática, que teme um endurecimento por parte de Teerã, apesar do desejo de Biden de encontrar uma solução, após a retirada unilateral de Trump do acordo nuclear iraniano. Raisi fará 61 anos no próximo mês de novembro, sua formação é uma mistura de estudos religiosos e direito e ele começou, aos 20 anos, a trabalhar no ordenamento jurídico iraniano como procurador-geral de uma cidade próxima à capital, logo após o vitória da Revolução Islâmica, até chegar ao cargo de Procurador-Geral da nação. Desde 2018, ele também ocupou o cargo de professor em um seminário xiita; de acordo com a opinião amplamente difundida de vários meios de comunicação do país, ele é um dos maiores favoritos para se tornar o sucessor do líder supremo. Vinda do clero e da parte mais conservadora do país, aliada ao fraco sucesso eleitoral geral e consciente da necessidade de unir um tecido social dilacerado nas questões das liberdades individuais, Raisi teve que se comprometer a prometer a defesa da liberdade de expressão , dos direitos fundamentais e garantir a transparência da ação política. Segundo iranianos moderados e reformistas, o novo presidente, além de ultraconservador, seria um inexperiente na gestão política, falta gravíssima para obter uma síntese que lhe permitisse implementar uma ação governamental incisiva. Ainda mais graves são as acusações da oposição no exílio, que acusa Raisi, em sua função, ocupada em 1988, como procurador adjunto do tribunal revolucionário de Teerã, de ter participado ativamente das execuções em massa de detidos de esquerda. O novo presidente iraniano negou estar envolvido na repressão, mas disse concordar com a ordem de Khomeini de fazer expurgos para manter a segurança da República Islâmica. A impressão é que, potencialmente, Raisi pode ser um fator capaz de alterar os já frágeis equilíbrios regionais, especialmente nas relações com Israel e os estados árabes sunitas, mas as necessidades da economia do país, que está cada vez mais em sérias dificuldades, podem limitar sua ação extremista pela necessidade de reduzir as sanções econômicas: desse ponto de vista, a normalização das relações com os EUA, pelo menos no que se refere ao tratado nuclear, será um objetivo, ainda que não explicitamente declarado; também porque a possibilidade de nos desligarmos da economia americana e dependermos exclusivamente da russa e chinesa não garante que superaremos as pesadas dificuldades econômicas impostas pelas sanções norte-americanas e seus aliados.