As manobras militares da Aliança Atlântica na Ucrânia irritam a Rússia

Os exercícios militares entre a Ucrânia, os Estados Unidos e a Aliança Atlântica arriscam comprometer o período de calmaria, ainda que instável, entre Moscou e Washington. A détente que se seguiu à cúpula Putin-Biden, realizada no mês passado, começa a ser apenas uma lembrança. O Kremlin, de fato, percebe as manobras militares conjuntas como uma afronta e uma ameaça precisamente porque são realizadas em uma área que a Rússia considera ser sua influência exclusiva. Claro que isso também implica razões de política internacional, que dizem respeito à atitude expansionista dos Estados Unidos na Ucrânia: a razão fundamental é que Moscou se recusa a ter tropas da Aliança Atlântica em suas fronteiras, razão pela qual sempre rejeitou a possibilidade da entrada de Kiev tanto na União Europeia como na própria Aliança Atlântica. Se na oposição a um acordo com Bruxelas também existem razões económicas, a aversão à adesão à Aliança Atlântica justifica-se pelo receio de já não haver espaço físico entre as guarnições ocidentais e as de Moscovo, com óbvias ameaças potenciais próximas, nomeadamente do tipo de míssil, que exporia o país russo a uma ameaça constante dos Estados Unidos; essa visão é de médio prazo, enquanto no curto prazo a necessidade funcional dos interesses russos é que não haja aliados do país ucraniano nos territórios disputados com Moscou, onde a luta continua, capaz de reverter o destino do conflito. Os números usados ​​dizem que Moscou não se engana em temer essas manobras militares e também em interpretá-las como uma ameaça à Rússia: de fato, em 2019, nos últimos exercícios realizados antes da pandemia, os países participantes eram 19 contra os atuais 32 e os os navios soldados empregados passaram de 32 para 40. Sem dúvida, esse aumento se deve à capacidade de Biden de agregar países aliados e de ter conseguido enfocar a Ucrânia como um ponto de interesse geral para a Aliança Atlântica; nisso Moscou estava certa em preferir Trump como inquilino da Casa Branca e se comprometer a ser reeleito. Para além das implicações políticas, o verdadeiro objetivo destes exercícios é fornecer treinamento adequado aos militares ucranianos quanto aos métodos e métodos de combate da Aliança Atlântica e isso parece preparatório para uma entrada na aliança ocidental mais ou menos. Oficial, mas em qualquer caso com a intenção de integrar as forças armadas ucranianas com as da Aliança Atlântica, ainda que, de fato, esses exercícios tenham ocorrido desde 1997, mas tenham adquirido maior importância após a anexação do território ucraniano da Crimeia à Rússia, de uma forma condenada por grande parte da comunidade internacional. O fato de os Estados Unidos serem o maior financiador de manobras militares deve estar associado à disposição que a Ucrânia oferece de usar seu território como base logística e à possibilidade de acesso a forças estrangeiras dentro dele. As queixas russas eram de natureza militar e geopolítica e perto do confronto quando um navio inglês foi acusado de ter violado a fronteira das águas territoriais da Crimeia e, portanto, da Rússia, com as forças de Moscou abrindo fogo contra o navio da Aliança Atlântica , primeiro episódio do gênero desde o fim da Guerra Fria. Entende-se como esse estado de coisas pode favorecer acidentes que podem degenerar em situações muito mais pesadas; paradoxalmente, os cenários possíveis, nesta fase histórica, parecem ser muito mais perigosos do que quando estava em curso a guerra fria que se baseava no equilíbrio do terror e onde cada um dos dois contendores tinha campos bem definidos, que nunca poderiam ter existido. superado. Ao contrário, a forte precariedade do equilíbrio atual parece favorecer uma série de conflitos de baixa intensidade potencial, mas que podem desencadear situações muito piores. Um dos perigos é que a Rússia apareça isolada, principalmente de Pequim, que só poderia prestar ajuda se fosse funcional aos seus interesses e, em todo caso, não de forma igualitária, mas de forma a colocar Moscou em um papel subalterno, neste aspecto do isolamento russo corre o risco de aumentar em ações militares de Moscou que não são clássicas, mas que agora entraram na prática moderna: o ativismo de hackers russos constitui, na verdade, um outro campo de batalha não convencional, que, no entanto, corre o risco de envolver armas clássicas: um perigo adicional de uma nação acuada que não pode mais exercer seu papel de primeira potência a que não renunciou.