Ativismo paternalista egípcio com o Hamas serve para obter consenso interno e externo

A impressão de que a mediação egípcia teve um efeito positivo no confronto entre Israel e os palestinos do Hamas parece ter tido um efeito positivo para o regime do Cairo. Na verdade, a contribuição egípcia, mesmo assim presente, contribuiu apenas parcialmente para deter o bombardeio israelense, que durou 11 dias, e os lançamentos de foguetes da Faixa de Gaza; não obstante, o presidente Al Sisi recebeu o apreço público do presidente americano, encontrou-se com o presidente francês e o chanceler egípcio pôde receber os cumprimentos da Alemanha e da União Européia. Deve ser reconhecida ao regime egípcio uma certa capacidade, mais do que tudo, de saber tirar partido de uma situação contingente, que lhe permita reivindicar a sua importância diplomática na região, tentando fixar um calendário para a questão da paz. . Esta é uma oportunidade única de sair de um estado de isolamento causado pela aplicação de práticas cada vez mais repressivas no próprio território. O objetivo egípcio é coordenar, por meio de sua diplomacia, a gestão da paz atual, por meio de reuniões cada vez mais frequentes com Israel, Hamas e Autoridade Palestina para manter o cessar-fogo graças a uma trégua duradoura e promover a reconciliação palestina., Como um primeiro ponto para proceder a um possível diálogo com Tel Aviv. O Egito comprometeu-se financeiramente com a reconstrução da Faixa de Gaza com um investimento de 500 milhões de dólares, tornando-se assim o principal interlocutor do Hamas, também graças à manutenção do único acesso não controlado por Israel, para entregar ajuda humanitária, inclusive de países terceiros. É claro que toda essa estratégia funciona para uma espécie de depuração da imagem do regime, que, no entanto, vem se revelando exagerada em sua retórica paternalista, quase reproduzindo a atitude assumida na prática, aliás típica dos regimes autoritários. A história da relação entre Al Sisi e Hamas registra momentos de crise justamente com a tomada do poder do ditador egípcio devido à repressão ao movimento da Irmandade Muçulmana, particularmente perto do Hamas, porém Cairo precisa de Gaza e Gaza precisa do Cairo, e o a ligação entre os dois lados parece obrigatória, ainda que várias pessoas que colaboraram com o próprio Hamas continuem presas em prisões egípcias. Sobre essa contradição, o movimento islâmico palestino por enquanto deve adiar por razões de evidente necessidade, mas é legítimo pensar que, no longo prazo, essa causa só pode ser um motivo de conflito. O Egito, porém, é o forte parceiro da aliança e pode conduzir as relações em razão de seu apoio ao Hamas, com o objetivo primordial de tornar funcional esse vínculo e seus efeitos, como garantia da sustentabilidade da ditadura, especialmente no âmbito interno. frente, mas sem desprezar as implicações positivas que também podem ser obtidas de fora. A lógica faz parte de um esquema clássico que vale sempre para ditaduras: obter o consentimento internacional, mesmo parcial, por meio de uma ação diplomática digna de uma democracia: fator que permite ocultar delitos internos e assumir posições quase essenciais, principalmente se em certos Em contextos não há, são atores internacionais alternativos que podem e querem garantir seu compromisso, como demonstrou o recente confronto entre Israel e Palestina. Por outro lado, o aspecto humanitário é um fator que desperta muita sensibilidade nas democracias, principalmente nas ocidentais: se o montante da ajuda é inegável, os métodos, fortemente veiculados, por meio de faixas publicitárias do presente do presidente aos palestinos egípcios, o fizeram. não despertou particular entusiasmo na população, que ainda se lembra do trabalho de destruição, realizado pelos egípcios, dos túneis palestinos em 2013. Cada parte, portanto, torna uma virtude da necessidade, mas o sentido dessa colaboração é que os palestinos não pode rejeitá-lo porque está em extrema necessidade, enquanto para o Egito pode significar uma das últimas possibilidades para tentar melhorar sua imagem para o exterior, sem perceber que está desempenhando um papel que deveria ter sido uma tarefa das Nações Unidas e As democracias ocidentais, que, em última análise, estão usando o Cairo retribuindo com um pouco de apreciação, o que é, na realidade, uma ficção real e adequada. I a.