As questões não resolvidas de Londres depois de deixar a Europa

O acordo alcançado in extremis, entre a União Europeia e o Reino Unido, para além das declarações oportunistas do primeiro-ministro britânico, que sublinhou que o vínculo entre as duas partes se manterá do ponto de vista emocional, histórico, cultural e estratégico, marca o fim do O processo conturbado de Londres de deixar o projeto da Europa unida é um fracasso para ambos os lados, que só o tempo dirá quais serão os efeitos reais e as vantagens e desvantagens relativas. As declarações triunfalistas vindas de Londres têm apenas um fundamento político, naturalmente funcional ao Brexit, graças à retomada da soberania plena em Londres, que sem as vantagens muitas vezes injustificadas concedidas por Bruxelas terá problemas de outra natureza no plano econômico já no curto prazo período, mas que pode se agravar no médio e longo prazo e não pode ser resolvido por pequenos acordos bilaterais, como o recente pacto comercial entre Londres e Ancara. Embora a aprovação do texto pactuado com Bruxelas seja muito provável, grande parte da população contrária à saída da Europa é representada pela cisão presente no Partido Trabalhista, que, embora oficialmente a favor, deve enfrentar forte oposição interna, devido ao «acordo considerado altamente desfavorável para os trabalhadores, pelo Partido Nacional Escocês, onde a questão da saída do Reino Unido voltou ao primeiro plano precisamente por causa do abandono da União, pelo Partido Liberal Democrático e, finalmente, pelo Partido Democrático Unionista. As principais divergências, as que poderiam causar mais problemas, dizem respeito à questão da pesca, que há muito bloqueia as negociações, em que a presença de navios de pesca da União nas águas inglesas ainda é considerada excessiva, factor que ainda é visto como uma ingerência. forte demais na soberania britânica; além disso, o problema das exportações do Reino Unido está presente e muito sentido, assunto muito discutido desde 1973, ano da entrada na Comunidade Económica Europeia, se Bruxelas pretender aplicar regulamentações europeias, podem surgir situações de falta de congruência, o que prejudicaria definitivamente o negócio de exportação. Essas condições têm fomentado no setor um sentimento de desconfiança no governo, que é acusado de falta de compromisso com essas questões e, essencialmente, de ter traído todo o setor produtivo exportador para alcançar o resultado do Brexit mais rapidamente. O maior peso na economia britânica é representado pelo setor de serviços financeiros, um setor de serviços avançado que prosperou graças à integração europeia; atualmente a bolsa britânica será considerada da mesma forma que as principais bolsas estrangeiras, como Nova York ou Cingapura, não mais usufruindo das vantagens garantidas pela Europa: o perigo real é que neste estado de coisas não haja a mudança desejada por Londres e isso reduziria o volume de negócios do setor financeiro nacional é significativo, o que certamente teria fortes repercussões no produto interno bruto nacional. Por fim, a questão escocesa é o perigo real, pois poderia favorecer uma dissolução do Reino Unido, a partir do território escocês, o que poderia gerar um efeito cascata com implicações também para o País de Gales e Irlanda do Norte. A permanência de Edimburgo no Reino Unido foi determinada, ainda que com pouca diferença, justamente pela garantia de permanência na União Europeia, uma vez que essa condição não é mais válida, um novo referendo provavelmente teria um resultado diferente; por isso mesmo Londres recusa uma nova consulta popular sobre o assunto, decisão reforçada pelas pesquisas que dão 60% do eleitorado escocês a favor da independência. Além da necessidade tradicional de autonomia, o público escocês está insatisfeito com o tratamento que os produtos locais direcionados à Europa vão sofrer com a devolução da Inglaterra. Com as eleições parlamentares escocesas marcadas para 2021, um resultado fortemente favorável aos separatistas colocaria o governo de Londres em sérias dificuldades. No que se refere ao exame que o Parlamento Europeu reservou para si da leitura das cerca de duas mil páginas do texto do acordo, que será apreciado a partir dos primeiros dias de Janeiro, há várias incógnitas sobre a aprovação devido aos acórdãos desfavoráveis ​​sobre o acordo devido ao sentimento de muitas concessões a Londres, especialmente de Paris. A possibilidade de um “No deal” não está totalmente evitada: dos dois lados, mas em perspectiva, os problemas de Londres parecem muitos para um caminho fácil, mesmo que aprovado pelos dois lados.