Desinformação não oficial e oficial

Se a Europa está emergindo lentamente da emergência da pandemia, o problema das campanhas de desinformação, espalhadas pela rede, provenientes de outros estados, continua presente e representa um fator desestabilizador dentro de uma população que não está em situação de pobreza. capaz de filtrar a grande massa de informações disponíveis. Essencialmente, o fenômeno pode ser dividido em duas partes principais: a primeira diz respeito à propaganda não institucional, expressa através da ação de empresas formalmente não expressões de governos, mas cujo trabalho torna funcional as instituições nacionais de origem, embora estas não o façam. reconhecê-los oficialmente. A segunda vertente, pelo contrário, refere-se precisamente a personagens que ocupam posições institucionais e realizam seu trabalho de desinformação por meio de canais oficiais. O primeiro grupo inclui organizações, acima de tudo, chinesas e russas, que realizam campanhas reais de desinformação com o objetivo de influenciar e direcionar a opinião pública européia para disposições favoráveis ​​em Moscou e Pequim. A falta de canais oficiais provoca os governos russo e chinês de acusações formais, porque essas fontes são oficialmente desconsideradas pelos executivos acusados ​​de serem os instigadores das notícias falsas. Além da intenção de melhorar sua imagem internacionalmente, as principais intenções são comprometer o debate democrático, favorecendo as posições mais extremas e, portanto, aumentar a divisão presente nas sociedades européias, onde a maior conseqüência tem sido o nascimento da soberania e da democracia. anti-europeísmo, que resultou nas consequências mais significativas produzidas pelas campanhas de informação falsa. Afinal, mesmo antes da pandemia, a ação incessante dos hackers havia se desenvolvido acima de tudo na ocasião das nomeações eleitorais para direcionar o voto para soluções consideradas mais favoráveis ​​para estados não democráticos. A pandemia ofereceu uma maneira ainda mais fácil de tentar influenciar a opinião pública, principalmente no que diz respeito às supostas responsabilidades reais dos tempos, maneiras e causas da propagação da infecção. A atitude chinesa, nesse sentido, levantou várias preocupações sobre a origem da infecção e sua contenção efetiva, especialmente nos estágios iniciais, o que causou uma atitude defensiva do governo de Pequim, muitas vezes implementada com táticas duvidosas. Essas ações devem ser enquadradas em políticas mais amplas que possam ser consideradas atos reais de hostilidade em relação aos países onde existem ordens democráticas e, portanto, potencialmente prejudiciais aos regimes que têm problemas com dissidência interna. As tentativas de ocultar a desestabilização devem fazer com que os membros da União Européia reflitam, tanto no nível nacional como no todo, sobre a lealdade real dos Estados que tentam boicotá-los. Isso deve aplicar-se política e comercialmente, porque a celebração de acordos cada vez mais próximos com países não leais pode facilitar o trabalho de apresentar organizações que tentam desestabilizar. Para Bruxelas, foram criadas as condições para implementar formas de defesa cibernética a nível comunitário, que exigem orçamentos mais substanciais. A prevenção deve estar na fonte, ou seja, em contraste com essas organizações, pois a educação adequada dos usuários da Internet é quase impossível para as faixas etárias com mais de quarenta anos de idade e só pode ser realizada com treinamento cuidadoso voltado para as faixas etárias mais velhas Jovens. No entanto, a alta idade média das populações européias e o hábito escasso de discernir as notícias, que vieram com um uso cada vez mais pressionado de novas tecnologias, mesmo no nível de trabalho, constituem uma facilitação da penetração de notícias falsas e enganosas. Essa condição também facilita as notícias falsas provenientes de perfis institucionais, dos quais os exemplos mais marcantes são o presidente dos EUA, Trump e o brasileiro, Bolsonaro. Muitas vezes, o usuário da internet não distingue a opinião pessoal de notícias falsas e, no final, é apenas uma opinião, torna-se informação enganosa. O tema aqui é usar canais institucionais para provocar repercussões também em estados estrangeiros; o contraste com essas operações, de certa forma, é ainda mais difícil, porque o único contraste possível é garantir uma resposta oficial contrária e pontual, capaz de envolver o mesmo público. O jogo relativo à rede e a busca de contramedidas para desinformação são jogados nesses planos.