Rússia e EUA se reúnem para melhorar relações bilaterais

A relação entre os EUA e a Rússia deve ser distinguida entre a dos respectivos chefes de estado e seus governos, com a aversão natural que existe entre as duas administrações. A afinidade política entre Putin e Trump é bem conhecida, assim como a atividade russa de promover a eleição do atual presidente dos Estados Unidos. No entanto, há uma desconfiança de grande parte da administração americana no sentido mais amplo da ação política de Moscou; essa desconfiança deriva tanto de situações históricas, que também estão presentes no sentido oposto, quanto dos óbvios objetivos geopolíticos da Rússia, que estão na base dos programas eleitorais e políticos do Kremlin. A visita do secretário de Estado norte-americano ao chanceler russo e, posteriormente, a Putin, mostra que a dialética entre os líderes dos dois países continua de forma colaborativa, pois ambos precisam reafirmar uma relação funcional para manter seu papel na política. internacional. Os EUA estão atualmente em dificuldades em várias frentes diplomáticas: com a Coréia do Norte eles não conseguiram concluir um acordo que teria sido significativo, na Venezuela, considerado dentro de sua própria área de influência, Washington não é capaz de efetivamente afetar a favor da oposição ao regime de caracas, a questão iraniana corre o risco de ir além do já perigoso nível de tensão em curso para uma má gestão muito condicionada por aliados descuidados e, finalmente, a relação com a União Europeia sofre contínua deterioração mettemdo em perigo o desenvolvimento normal e histórico da relação transatlântica. Trump estabeleceu uma política de isolamento substancial na arena internacional, mas não foi apoiado por partes de sua administração, a fim de evitar efeitos desfavoráveis para os EUA e as dificuldades para a diplomacia americana derivam em grande parte dessas razões. A relação com a Rússia, embora condicionada por visões e interesses diferentes e muitas vezes conflitantes, é essencial para encontrar uma colaboração para resolver questões contingentes e não obrigar os EUA a assumir um compromisso de primeira mão, mas solitário. A Rússia, por outro lado, precisa ter uma relação com o poder maior do planeta, que após a invasão da Crimeia, piorou significativamente (mas não tanto para Trump, quanto para partes do governo que se opõem a Moscou). A importância de boas relações bilaterais, como afirmou o Ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, é essencial para evitar que as tensões nas várias regiões evoluam para situações capazes de alterar os livros sobre os quais a paz mundial se baseia. Essa consciência pode favorecer a retomada de relações mais próximas, o que pode favorecer uma mediação capaz de satisfazer os objetivos de ambas as partes. Em particular, as questões da desnuclearização coreana, que é de interesse estratégico para os EUA, foram abordadas, mas para a Rússia é essencial, dada a proximidade com a península asiática, a questão venezuelana, onde a Rússia se manifestou contra. uma exportação da democracia através das armas, da situação síria e ucraniana e, finalmente, da emergência do Golfo Pérsico, que continua assim, apesar das declarações americanas de não querer embarcar em um conflito, o que seria altamente impopular para Trump. Se esta visita do Secretário de Estado pode representar uma reaproximação entre os dois poderes, devemos também considerar os efeitos que isso terá sobre a China, como alternativa sujeita aos EUA, aos quais a Rússia parecia ter se aproximado; Moscou, apesar de um quadro de dialética internacional normal, poderia jogar em duas mesas para explorar as complicadas relações entre os dois países, devido às guerras comerciais em curso. Isso poderia levar a questionamentos, mas certamente não a curto prazo, uma série de ativos internacionais, incluindo o iraniano, os EUA provavelmente não serão capazes de fazer com que Moscou se retire do tratado nuclear, mas uma ação diplomática maior entre Rússia e EUA. O Irã poderia forçar a China a derrogar seu princípio de não-intervenção, a fim de não renunciar ao seu papel como uma grande potência à qual também aspira no campo diplomático. Será necessário esperar pelos desenvolvimentos que esta abordagem, se realmente existir, poderá provocar.

Lascia un commento

Il tuo indirizzo email non sarà pubblicato. I campi obbligatori sono contrassegnati *