Os países da União Europeia estão reunidos em Bratislava

A cúpula em Bratislava entre os representantes dos países da UE, será o primeiro após a saída de Londres e também o primeiro sem a Grã-Bretanha como um participante. A questão não é apenas simbólico, porque a maioria dos eleitores do Reino Unido mostrou um mal-estar que também afetou outros estados no continente europeu. Esta é a percepção, amplamente comprovada por aspectos concretos, a distância das instituições europeias pelas pessoas que supostamente representam, o que foi conseguido com uma reduzida qualidade de vida dos cidadãos comuns, devido à falta ou insuficiência de respostas que foram dadas por ‘ União Europeia contra a crise econômica. Por que, se é um facto, que o período histórico atual foi atravessada pela crise econômica trouxe enorme, é igualmente verdade que os instrumentos adotados pelos estados, quase sempre sobre as indicações das autoridades da União Europeia, teve como objectivo central a defesa das instituições financeiras e bancárias, muitas vezes culpados de má gestão, também marcado por um endereço especulativa, que acabou se tornando grande parte das causas da crise económica. A União Europeia também se distingue por uma taxa excessiva de burocracia, o que combinado com a falta de decisões concretas em benefício da população, levou a uma desconfiança geral, que ultrapassou os setores já céticos de Bruxelas, de encontrar ainda um consenso sobre os parceiros sociais tradicionalmente favorável para Bruxelas. O que deve acontecer em Bratislava, deve ser a introdução de uma fase de reflexão sobre estes e outros tópicos, através da qual se recuperaram mais confiança nas instituições europeias, de modo a evitar o perigo real atual de declarações eleitorais dos partidos políticos ao contrário da União no próximo nomeações para a votação, que incluirá vários estados-nação. Para fazer isso você precisa em um trabalho concreto sobre as questões tangíveis, mas o compromisso é difícil para as grandes diferenças que ocorrem entre os estados membros. Uma das questões mais imediatas foi identificada no temor generalizado de terrorismo internacional e os perigos associados com a imigração. Na verdade, esses medos são sua maior parte dos países da Europa Central, que tenham violado as regras comuns, recusando-se a assumir o comando das ações a que têm direito aos migrantes. Pelo contrário a essas violações devem ser construídos de sanções, a fim de responder adequadamente às aqueles que quebram as regras da União, seria um primeiro passo para restabelecer o princípio da equidade entre os estados, especialmente entre aqueles com diferente localização geográfica. As propostas sobre estas questões, no entanto, são difíceis de conciliação com as condições que a União se baseia: proibir a migração não é apenas histórica, mas também anti dificilmente viável. Certamente, em uma patrulha armada das fronteiras pode ser um impedimento no curto prazo pode funcionar, mas contra a guerra, a fome e as alterações climáticas, que geram desespero o problema não só pode ser tratada com armas. A este respeito, o debate se torna ainda maior, porque a prevenção da migração requer uma grande capacidades políticas e militares, o tema Europa, dos quais Bruxelas ainda está faltando. Esta falta indica um atraso pesado em programas e pelo grande poder, que são obrigados a não sofrer os efeitos de atos causados por outros. Pois, sem um exército comum, capaz de intervir em áreas de crise, com grande possibilidade de resolução de conflitos, a única fase diplomática já não é suficiente é; o abandono de Londres, para resolver esta situação parece providencial, porque remove o país de cada vez mais contrários a esta. Claro que fazer sem a força militar britânico reduz a capacidade de um possível exército europeu, mas esta deficiência pode ser resolvido com uma especialização na intervenção em zonas de crise. É claro que a vontade política deve ser forte, bem como investimentos em que nenhum país pode ser dispensada. Outro capítulo fundamentais irá interpretar uma política diferente sobre as restrições orçamentais, para permitir que as políticas mais expansionistas, capazes de inverter a tendência e garantir que as taxas de crescimento necessárias para fazer para baixo a economia continental. Também nesta área nos falta regras claras e a situação geral se choca com os interesses particulares de alguns países, especialmente o alemão, que persistem numa atitude de auto-protecção demasiado óbvio. Tendo identificado a necessidade de harmonizar as regras fiscais em todos os países para prevenir e recuperar a fuga de grandes empresas multinacionais, sem dúvida, um ponto de partida, mesmo política, mas não é suficiente para assegurar a recuperação económica, que deve então ser mantido, com decisões políticas tomadas em um curto espaço de tempo, este velocidade de decisão é actualmente impossível por causa dos regulamentos complicados que favorecem a prevalência de interesses particulares de as gerais. Iniciar uma discussão sobre esta questão torna-se uma necessidade prioritária e não ser derrogado. Como já foi mostrado para se tornar a legislação cada vez mais necessário regula a inclusão e também a possível expulsão de países que querem ser membro da UE. A questão de quem viola os princípios básicos, tais como os direitos sociais, deve tornar-se um assunto sobre o qual a legislar determinadas medidas, que não só fornecem avisos sem consequências. O comportamento dos governos como a Hungria não pode ser permitido e não há mudanças devem igualmente prever que um Estado é para ser expulso. O momento da inclusão em todos os custos, talvez perseguido para satisfazer as ambições comerciais de um único estado, deve ser posta de lado a fim de impor critérios mais rígidos para a admissão na união. É apenas a poucos passos, o que poderia virar a maré da cepticismo em relação à Europa, e em seguida lhes permitam desenvolver ainda mais político. Desde que vai acontecer em Bratislava você pode julgar e prever o futuro da União Europeia.

Lascia un commento

Il tuo indirizzo email non sarà pubblicato. I campi obbligatori sono contrassegnati *